Tempos de namoro gay

No passado, para se encontrar e manter um amor já era difícil. Primeiro que não havia tantas redes sociais ou facilidade de contato. Quem tem mais de 30 anos lembra como era complicado ter que mandar e-mail ou carta. Ou ainda, marcar um encontro para daqui uma semana, ou passar o número de um orelhão, ou nome falso, a fim de manter a ... O amor gay. O amor gay. Só no Paixão e Amor você encontra os melhores assuntos sobre o amor gay. Veja! Total de 1817 resultados sobre: O amor gay. Um namoro gay realmente é complicado, principalmente quando voce comeca a namora com 18 anos, sem ao menos ter aproveitado a vida, falo de ficar ou transar com outros cara (fiquei apenas com trs caras mas sem sexo com nenhum), meu relacionamento fez 5 anos este mes, eu tenho 23 anos e ele 30. O ator Igor Fernandez de Bom Sucesso revelou tudo sobre seu namoro com Gabriel Soares (Foto: Divulgação) Ator de Bom Sucesso, Igor Fernandez teve namoro gay revelado e comentou repercussão do relacionamento. O ator Igor Fernandez, de vinte e três anos, resolveu se manifestar sobre a repercussão de seu namoro com o estudante Gabriel Soares. De tempos em tempos, Comparato passa alguns dias com a sobrinha de Sônia Braga. O relacionamento era conhecido apenas por amigos e pessoas mais próximas do casal. Elas foram apresentadas por amigos em comum, em 2015. Na época, Bianca namorava uma produtora e Alice estava solteira. O namoro começou um ano depois. Grupo de namoro evangelico para quem procura um novo amor. Encontre links de grupos de relacionamento evangélico. Grupos de Namoro Gays. Os melhores grupos de namoro gay estão aqui. Encontre o melhor link de grupo gay no whatsapp e seja feliz! Grupos de Namoro Lésbicas. Aqui você encontra aquel grupo namoro lesbico perfeito e outros links ... 4 aplicativos de namoro sério gay para encontrar um amor. 01/06/2020 22/01/2020 01/06/2020. Há quem afirma que não existe mais o amor gay em tempos de redes sociais. Mas, será que é verdade? As lojas de apps estão cheias de opção para encontros de uma noite. Porém, existem aplicativos para os gays que querem um relacionamento estável?

Autosabotagem, pornografia e brochar.

2020.10.19 07:17 yooo66666 Autosabotagem, pornografia e brochar.

Nem sei por onde começar... primeiramente tenho 20 anos e é realmente um pouco constrangedor escrever isso mesmo sabendo que ninguém me conhece, mas ok bora lá. A mais ou menos 2 anos eu terminei o meu ultimo namoro e já naquela época eu consumia pornografia mas era beeem menos, tanto que ainda não atrapalhava nada em minhas relações sexuais, tudo sempre flui numa boa, nunca pensei que poderia ter problemas com isso. Daí, dps do termino comecei a consumir mais a pornografia mas ainda tava dboa, me sentia tranquilo em relação a isso, trocava ideia com varias mina me sentindo bem e despreocupado, só que aí pro final de 2018 eu fui encontrar uma amiga minha e rolou minha primeira brochada, fiquei porra, desesperado na hora, com vergonha e pá(era a primeira vez da mina) nussss fiquei bem abalado serião, falei com uns amigos meus e eles foram suave, nem tiraram sarro, disseram que era normal, mas aí que começou o problema(deveria ter levado numa boa né, todo "mundo" leva isso numa boa, pq eu n iria) enfim, a partir daí comecei minha graaande jornada de autosabotagem e porra velho, até hj n consegui superar isso (como cara???? kkkk taloko) eu realmente rio disso, pq parece ser piada as vezes, eu gosto de mulher, gosto demais cara, e desde de essa época eu comecei a questionar tudo, minha sexualidade, pô problemas mentais, uma avalanche de pensamentos mesmo. (Tá, são muitas coisas a se falar e ainda to com vergonha de escrever isso, mas vamo lá)
Inicio de 2019 e eu tranquilo até ainda, sem nenhuma confusão mental aparente e ainda trocando ideia dboa com umas mina, aí conheci uma menina e a gente foi se aproximando, se beijou e pá, começou a rolar um amorzinho mas a gente n tinha transado ainda e aí um dia ela me chamou pra eu ir na casa dela, era carnaval, fui né, bebemos umas, fumamos uns beck e ficamo daquele jeitão né, delícia, pegação que num parava mais e aí começamo a tirar a roupa, ela me chupou(suave até então, meu pau tava levantado kkkkk) e eu tava dboa tb, eu chupei ela dps e aí bateu aquela ansiedade trevooosa, pq né o proximo passo seria nois fuder e assim... aiai.. eu tinha camisinha lá(ps: no meu ultimo namoro agnt transava so´sem camisinha praticamente) e mano, tremi nas base, falei pra ela q tava sem camisinha e né, ela tb nem tava afim de ir sem, e continuei chupando ela numa boa, mas né, pensando daquele jeitão nas coisa, preocupadasssso, uma lokura gente, aí blz, dormi la e de manha ela veio me cobrar q eu podia ter ido na farmacia e só dei uma desculpa(rapaziada por incrivel que parece n sou gay e eu me questionei bastante sobre isso, pode acreditar). Depois disso começou o desastre, toda vez q pensava em sexo pensava em brochada, instantâneo tipo, aí assim, quero resumir um pouco ne, mas vou falar oq me der na telha aqui. Dps desse ocorrido n falei pra ngm, nem amigo, nem psicologo, nem nd, malucao o cara ne, fala nem pra psicologo aiai, tabom. Dps com essa mina, de précha, broxei mais uma vez só q ai dessa vez foi na hora da penetração mesmo, aquela meia bomba que todo mundo adora, lindeza que só( to falando desse jeito pq acho q assim vo sentir menos otário) aí acabei me afastando dela (vergonha absurda, eu sou uma piada msm), deixei claro pra ela q o problema era cmg, e que ela era né MARAVILHOSA (pq de fato era kkk) aí meus manos e manas, nesse momento eu ja tava 0 bem das ideia(ps: faz mais de 1 ano isso e to desabafando isso só agora pra alguém ok) , escondendo tudo de todo mundo, mas transparecendo que tava tuddo deboa ne, kkk aiai. Que eu me lembre dps dessa mina passou um bom tempo q eu nem tentei nada com ngm(no sentido de ir pra hora H) e tipo, eu continuei flertando, com altas mina e dando idéia mas só na raso (olha o medo que tava, medo de brochar, eu sla, nem imagino falar isso pro meu amigo mais proximo q eu morro de vergonha sla) continuei flertando e pá ne, considero estar em um ponto bem alto da minha kkkk beleza facial e de personalidade tb, ent acaba q altas guria se interessava, e eu bobo né, dava papo mesmo sabendo desse meu problema kk. Ok, final de 2019 chegou um dia lá que a mesma mina q eu tinha broxado lá na primeira vez, me chamou pra ir na casa dela (claramente pra gente fuder) e eu em duvida, falei q n podia, por causa desse medo mesmo e sla, acabei indo encontrar uma amiga minha e a gente beijou dps um tempassso q eu tava afim e assim, fez minha noite tlg, n transei, nem brochei kkkk foi ótimo. Ok, vou voltar aqui no assunto da pornografia e falar q, durante o ano inteiro de 2019 eu provavelmente me masturbei quase todos os dias, pra pornô msm (mas nessa época nem tava ligado em questão de estimulo visual ser tãaao importante pra uma possivel brochada) ok, n dava a minima pra quantidade de porno q eu consumia, só seguia a vida msm, achando que todo esse medo aí meu, era problema meu, sla algum problema mental q eu desenvolvi e q era isso, botei na minha cabeça q ia continuar a ver pornografia pq já q eu n ia transar, pelo ou menos o porno ia me satisfazer( QUE ERRO, REPITO QUE ERRO jovem eu de um ano atrás). Aí pra frente é confusão mental atrás de outra, ia pro psicologo nem sabia oq falar, ficava todo perdido, todo vez q eu podia pensar nisso eu pensava e ia fuuundo e paranoia e fantasia de coisa nem ia acontecer, mano, to querendo é chorar escrevendo isso, nunca tinha botado pra fora isso, enfim... final de 2019 li em algum lugar sobre um negocio q chama reboot, que até tem video no TEDx sobre isso e video do Terry Crews falando, que é basicamente vc ficar sem se masturbar por um tempo indeterminado, que aí uma hora tudo ia voltar ao normal, na hora q eu li eu falei "É ISSO, É ISSO, PRONTO VO RESOLVER MINHA VIDA AGR MESMO" mandei msg pro meu psicologo falando q nois tinha q conversar, tava todo animado, cheguei lá, falei pra ele tudo, tudo q tinha rolado, tava rolando e falei disso aí, mas ele n me recomendou eu fazer esse reboot, falou q a masturbaçao é algo importante pro individuo, e sla, me convenceu q era melhor eu só esquecer disso e levar a vida (hj eu lembro disso e assim, meio cuzao ele ne) na hora nem parei pra pensar no negocio, tava lokin das ideia já.
Vo tentar resumir agr, dps desse aí, continuei me masturbando pra porno ainda, as vezes eu tentava parar um tempo por causa de coisa de twitter e pá, mas acabava voltando uma semana dps. Nessa época eu comecei a criar um autoestima fodida em cima disso, foi surgindo assim tb, fui levando a vida como se tudo oq tivesse rolado tivesse sido só uma fase da minha vida e que tinha passado e que eu já tava deboassa em relação a questão de brochar, que na proxima vez q rolasse ia dar certo, tipo, tava bem deboa. Aí né tava confiante, e um belo dia chamei uma mina q tava cvs pra vir aqui em casa, agnt ja tinha ficado uma vez e tava né, com tesão afinzassso, começamo a tirar a roupa foi indo, chupei ela, suavao, aí ela foi me chupar e ele abaixou do nada, sim, no meio do boquete foi pra vala minha líbido, tentei ressuscitar mas n tava indo, bati uma ali mesmo e n foi, minha cabeça já tava a mil, ja´era ne kkk falei pra mim msm, dps agnt fumou um pra ficar dboa e cvs com ela e pá, ficamos suave. Teve mais uma situação com essa mina (acho q eu forço muito né, mas eu tava só querendo botar minha autoconfiança pra cima de certa forma) agnt saiu comeu um burg já naquele estado né, e dps fomos pra casa dela, casa n, escada do prédio e rolou ali msm, oral dos dois, n brochei durante foi suave, mas na hora de penetrar nela o menino abaixou, mas fiquei deboa, respirei e fui estimulando, uma hora deu certo, botei pra dentro e foi(meia bomba kkkkk), foi pouco tempo mas foi, aiai, que saudade dessa sensação meus amigos kkkk enfim, isso era inicio de 2020, daí começou a quarentena e desde entao eu nem saía de casa né, pra pegar alguém (pra nd msm), mas continuei flertando dms ne, cabo que, uma mina lá falou pra eu ir na casa dela pra né e ja botei na cabeça que n, que n ia rolar, que ia dar merda, já pensando na brochada (ô laia) e confundindo minha cabeça, falando q sexo casual é merda (nunca nem fiz sexo casual) só inventando mentira pra disfarçar esse problema meu, enfim, dei perdido na mina. Aí (ta acabando tá? se algm tiver lendo) anteontem uma mina veio aqui em casa, ja tinha combinado a uma semana atras, mas assim kkkkjjjj, imaginando q agnt nem ia transar nem nd, no maximo um boquete e tals, por isso nem fiquei preocupado com broxar e pá, só aquele calafrio basico de trocar ideia com uma mina q tu realmente acha daora, pela primeira vez, pessoalmente (coisa linda) me preparei total, comprei um corre pra gente pitar, comprei umas breja, umas comida, meditei um pouco pra ficar suave e foi né. Ela colou, agnt trocou altas ideia daora (sla eu tava um pouco de receio de ela achar eu meio maníaco de já querer transar direto assim) aí preparei o ambiente como eu disse, fui fazendo um clima rolar alí...rolou... pegação intensa, tava adorando, bão dms, aiai, que mulher minha gente, começou a passação de mão, eu meio passivo ainda, mas tava daora, aí ela tirou meu short e ja comecei a ficar em choke(pelo lado bom) nem tava pensando em nd, aí ela parou assim e perguntou se algm podia ver nois ali (agnt tava no terraço de casa) aí falei q n, mas q sepa era melhor nois ir pro sofa q aí ne, já ficava mais confortavel( eu sou mt burro) kkkkkkkkkkk ta, ai´fomos pra la, nisso eu ja tinha guardado o pau e tava mole já, e mano, voltamo a se pegar(po eu tava desaprendido 7meses em casa) pegação lá intensa, bão dms, ai´vacilei comecei a pensar na famosa broxada, passou um tempo ela tirou minha calça e começou o oral, e adivinha n fiquei duro, e eu acho ela gostosa, acho dms, n creio q esse seja o problema, n creio q o problema seja eu n ter atração por mulher, eu tenho sim, só acho q a pornografia me leva a ter uma rotina, um vício FUDIDO que faz eu me apagar a minha própria mão, a esse ambiente nojento da punheta e de tudo q ela envolve com a pornografia, mano, eu to muito puto comigo msm, pq JÁ SE PASSOU MAIS DE ANO Q TO NESSA MERDA DE SITUAÇÃO PODRE, MANO EU QUERO TER FILHOS UM DIA, EU QUERO TER ESSE PRAZER DE TRANSAR, EU QUERO TER ESSE PRAZER DE VIVER UMA VIDA TRANQUILA SEM TER Q ME PREOCUPAR COM PROBLEMAS DE BROXAR, EU SINTO UM DESCONFORTO TÃO GRANDE COM MEUS AMIGOS, QUE REALMENTE SÃO MEUS AMIGOS E DISCUTEM ABERTAMENTE SOBRE ISSO, MAS NGM NUNCA FALOU SOBRE BROXAR, ME SINTO UM INUTIL NESSE SENTIDO ESCREVENDO ESSE TEXTO. CARAS, EU N QUERO VIVER A VIDA TODA ASSIM KKK NEM FOODENDO, NEM FODENDO. Só quero resolver isso e parar de pensar tanto em coisa que é inútil, amanha ja devo cvs com meu psicologo a respeito pq n da mais, eu fico triste, sinto um vazio imenso em mim dps q isso acontece, se alguem leu até aqui, obrigado pelo o seu tempo, diga aí oq vc acha sobre, ou n tb, se que sabe, enfim, abraços e uma boa noite pra todos. :j
submitted by yooo66666 to desabafos [link] [comments]


2020.09.30 13:42 DarkDollynho Finalmente Criei coragem de postar... Senta que lá vem história.

Eu tenho acompanhado a comunidade faz algum tempo, e antes de escrever o que preciso quero agradecer por vcs existirem e estarem dispostos a compartilhar e receber historias de todos os tipos e cantos.
Vamos lá!
Sou o clássico guri dos anos 90 que vibrou com o penta, jogou super Nintendo e agora ta beirando os 30 anos.
Sofro com depressão e ansiedade desde que me entendo por gente, sinceramente não sei se vem da situação familiar ou se é algo crônico.
A real é que meus pais (como boa parte das famílias dos anos 70,80 e 90) não se amam e nunca se amaram (muita gente se juntava por necessidade mesmo) e acho que isso pode ter influenciado um pouco na forma como vejo o mundo.
Meu pai tinha um casamento, do qual ficou viúvo e desse casamento 4 filhos (3 usam drogas e 1 desapareceu).
Ele então se casou com minha mãe e eu nasci (em seguida outros 2 irmãos), convivi com 1 dos meus irmãos por parte de pai que sempre deu problemas, desde uso de drogas, porte de arma, roubos, etc.
Bom exemplo foi algo complicado durante a infância, pois minha mãe vivia tretando com meu pai por conta desse meu irmão, que não é filho dela, até entendo.
Meu pai sempre desconfiou que minha mãe havia/estava traindo ele, e desde os meus 8 anos meu pai me usava como psicólogo dele, desabafando e jogando todo tipo de pensamento na minha cabeça.
Eu era bem religioso (não sei se era uma fuga) e cresci com isso, entre caraminholas da cabeça do meu pai e tentar ser uma criança.
Eu tbm fui abusado por um cara conhecido da família. Não quero entrar nesse mérito.
Sempre apanhei muito pra aprender matemática (nunca aprendi de fato) enquanto convivia com meus irmãos e tal.
Quando cheguei nos 16 anos mais ou menos a aposentadoria do meu pai foi cortada, ele já com idade avançada e minha mãe tbm, meti a cara trabalhar.
Pagava meus próprios cursos e comia 1 pacote batata palha no almoço pra economizar dinheiro.
Passei por empregos porcarias, que nem vou adicionar a historia, mas que tenha certeza que contribuíram negativamente na minha vida.
Conheci minha ex namorada na igreja, ficamos juntos por muito tempo.
Eu sempre quis ser o namorado perfeito, daquele que dizia: "se minha namorada não pode ir comigo, aquele lugar não eh pra mim." (talvez um erro sobre individualidade)
Foram 8 anos bacanas, entre altos e baixos na minha família sempre coloquei minha ex em primeiro lugar.
Trabalhava pra ela poder estudar e fazer faculdade(eu tbm estudava), levava ela pra todo canto quando precisava, ajudava com trabalhos, treinava ela pra entrevistas, pagava cursos...
Até que conseguimos entrar na empresa dos sonhos (ela primeiro, eu dps) de qualquer pessoa da área de TI (ambos na msm empresa)... Volto nesse ponto dps, muito importante.
Nesse meio tempo uma das minhas irmãs drogadas por parte de pai apareceu, com 1 filha recém nascida... Ela estava presa e perdeu a guarda da criança.
Então lá vai eu ajudar meu pai a conseguir a guarda, entre visitas a outro estado pra ver a neta e dinheiro para advogado. (o advogado morreu durante o processo mano)
Conseguimos a guarda, minha irmã saiu da cadeia e fez da nossa vida um inferno (ainda faz, ainda estamos criando uma criança que não tem pai e tem uma mãe drogada).
O relacionamento dos meus pais que já era ruim, piorou, eu no meio dessa merda toda já tinha tentado o suicídio 2x...
Nessa época comecei a perceber que minha ex não se preocupava comigo como eu me preocupava com ela, ela não se importava com minha saúde mental, não se importava com a minha pessoa, a sensação era que ela tinha se acostumado seja com a boa vida, seja com a constância que a vida tinha tomado.
Eu tinha juntado dinheiro para irmos pra outro país fazer intercambio, pensava em pedir ela em casamento la, 9 anos de namoro já era bastante... Ela não se empenhou em absolutamente nada, parou no tempo. quando ela não conseguiu o visto simplesmente não se importou.
Ela tinha arrumado um amigo na empresa, e foi aqui que a merda bateu de vez no ventilador.
Ideias de balada gay entre ela e o amigo apenas (ele assumidamente gay), viagens entre apenas os dois. Eu concordava, mesmo me remoendo de ciúmes por dentro. Sempre prezei pelo "Eu confio, eu a conheço". (meus amigos diziam que eu era otário por tratar ela tão bem, fazer de tudo)
Nesse tempo eu já fazia acompanhamento psicológico e psiquiátrico (minha psiquiatra era mais amor que minha psicóloga).
aguentei quase 1 ano disso, desistimos da viagem, comprei 1 casa ao invés de viajar (ela nunca quis sequer visitar o imóvel), após uma transa ela simplesmente começou a chorar e disse: Quero terminar.
Foi bizarro. Absurdamente bizarro.
Eu estava no extremo na minha vida pessoal com minha família, e meu porto seguro era o relacionamento (não dos melhores, mas estava ali há bastante tempo), neguei propostas de emprego fabulosas pra ficar com ela e isso agora?
Decidi seguir em frente, tendo crises de pânico e ansiedades como nunca antes, com a família SEMPRE dizendo, isso é falta de Deus, isso é frescura, esses remédios estão te matando, isso é falta de vergonha na cara, conheço pessoas que se mataram e quem se mata não avisa....
Nesse meio tempo minha psiquiatra (que era melhor que minha psicóloga) morre em um acidente de carro, ainda não superei.
3 semanas depois minha ex assume o namoro com o "amigo", moramos a 1km do outro, trabalhamos em uma empresa em outra cidade e temos que pegar ônibus juntos e trabalhamos no mesmo prédio com diferença de 1 corredor.... Se ela me traiu ou não tem a ver com a índole dela e não com a minha. Eu segui em frente, não sinto nada por ela, mas a depressão e a tristeza parecem não ter fim. Já era grande durante o relacionamento. Sozinho, sem ter com quem contar (é difícil conversar sobre isso com as pessoas) tem piorado muito.
hoje me encontro aqui, sem forças pra conhecer pessoas novas, sem forças pra por fim ao meu sofrimento, sem forças pra acreditar no setembro amarelo de pessoas falsas, sem forças pra ser eu.
Desculpem o texto grande, muita coisa ficou de fora pois acho que o texto já está cansativo, mas o problema é que eu estou cansado tbm. De remédio, de lagrimas, de tristeza...
E me sinto pior por ter superado o mundo, alcançado o sonho de muita gente com emprego bom, falar outra língua, ter casa própria, moto...
Me sinto mesquinho por não dar valor a nada disso depois de tudo que passei...
submitted by DarkDollynho to desabafos [link] [comments]


2020.09.22 05:40 ThatAwkwardLeaf Tudo tá bem merda

Resumindo de uma forma bem básica;
Em algum domingo dessa quarentena eu simplesmente quebrei já que minha mãe tinha visto meu whatsapp (é um choque pra alguém que deixou mais que claro que NÃO QUER que eu tenha amigos), um monte de mensagens e isso incluí uns "desabafos". Ela não faz ideia que eu sou trans (menos disforia ao mesmo tempo que eu tenho mais, que incrível, né? Aliás, os pronomes são ele/dele) e no máximo jura q eu sou no mínimo gay. Quase descobriu que eu... Namoro? Tá complicado, já chego nisso... Enfim, depois disso ela deu de arranjar um psicólogo. Ele simplesmente me deixa ansioso, me dá disforia toda sessão e resumidamente ele é religioso. Sempre acha uma forma de enfiar jesus e a bíblia nas sessões. Vários dias depois, passando por algumas crises de ansiedade ou pânico, incluindo essa que eu simplesmente não soube como lidar, nunca tinha chorado tanto na merda da minha vida, a desgraça do dia inteiro segurando o choro e depois não conseguindo mais parar de chorar. Isso foi no mesmo dia que meu primo numa tentativa de me """AJUDAR""" (Em momento algum eu pedi ajuda com isso) com o problema do meu notebook (não tava carregando com o carregador dele (mas estava com o carregador do notebook da minha mãe, então eu usava quando ela não tava usando) então eu só desatei a esperar minha mãe arranjar vontade de arrumar ele) fudeu o notebook ao ponto de não carregar mais nem se Deus quisesse. E voltei a... Passar os dias me distraindo pra não chorar por sei lá que motivo ou por causa da disforia ou só ansiedade por nada. Chegando a parte "complicada" do negócio do namoro, eu e ele demos um tempo. Ele... Tá passando por muita coisa, eu simplesmente não consigo mais falar tanto com ele, e SEI que eu só estava sendo um fardo pra ele. A gente nem mesmo conseguia fazer as coisas junto mais, era um negócio decadente. Sinceramente lembrar disso me faz querer chorar de novo (mas claro eu já tô numa crise de merda, provavelmente é por isso), mas eu tô... Bem. Eu acho, quanto a esse assunto pelo menos. Sei lá, o que ele quiser... Tá ótimo pra mim. Se ele não quiser voltar, eu aceito a decisão dele, só quero o que é melhor pra ele. Se ele quiser, também aceito a decisão. Eu, quero sim, voltar, provavelmente só ia quebrar caso ele não queira, mas o que eu quero ou deixo de querer não é mais a questão aqui.
Olha, eu tive dias bons e tal, mas eu simplesmente não consigo me lembrar deles. Eu já tô esquecendo o dia bom que eu tive anti ontem e ontem. Não me lembro nada de alguns dias atrás onde eu joguei among us com minha irmã e uns amigos, as várias madrugadas q a gente passou jogando Stardew Valley. Eu não lembro do que tanto aconteceu, eu só sei que... Aconteceu. Em algum tempo atrás, parece muito tempo.
E agora... Eu tô sentindo disforia, ansiedade por nada, já fudi minhas mãos, a minha vontade de morrer só aumentou mais e mais. Eu esqueci de falar dela, né? Eu sempre evito esse tópico.
[Edit: eu esqueci de por isso aq, se não quiser ler nada relacionado a suicídio, por conta de gatilho ou algo do gênero, pode só pular pro último parágrafo (? Na dúvida só pula o texto gigante todo). Desculpa por esquecer desse aviso]
Por um bom tempo nessa quarentena, eu senti essa vontade no fundo da mente. De me cortar e me observar sangrar até morrer, morrer afogado na minha miséria, ou de me enforcar em algum lugar, pular de algum lugar alto, só me matar de fome, ou me deixar desidratar. Toda vez que eu ficava no silêncio, a ideia vinha e aumentava. Batendo, martelando naquele mesmo lugar. Até ficar insuportável, mas eu ainda manti ela lá. Presa. Por uma camada fina de... Esperança? De que vai dar tudo certo? Por um tempo sim, eu já perdi ela toda, se bobear. Sinto tanto que não vale a pena existir, persistir, continuar levantando da cama, desenhar, as vezes até dos meus gatos eu esqueço. Eu não sei por que eu ainda levanto, tomo banho, lavo o cabelo, escovo os dentes, como e bebo água. Não sei mais. A fome nem mesmo vem.
Enfim. Isso deve estar super confuso, e eu me desculpo por isso. Eu estou maravilhado com o fato de, apesar da vontade de chorar, eu não derramei uma única lágrima. Até pra chorar eu não sirvo mais, é incrível.
submitted by ThatAwkwardLeaf to desabafos [link] [comments]


2020.09.15 03:47 Initial_Name85703 estou travando uma batalha interna cmg mesmo,

hi, tenho 17 anos e sinceramente eu não tenho mais forças pra continuar desse jeito.
meu teclado está horrivel mas tá ficando entalado e ...
desde cedo eu sempre fui uma criança muito tímida e em mais sensivel que as outras crianças, nunca fui de ter muitos amigos e eu realmente invejava todos que tinham muitos amigos, até amigos próximos q tinham muitos amigos antes de completar 14 anos minha mãe descobriu um cancer de mama, e pra ser bem sincero a vida vai desgastando com todo mundo, eu hj estou sem forças pra ajudar mimnha mãe, sou muito,muito apegado a ela mas eu senti muita saudade do que eu não vivi na minnha infancia, vontade de jogar bola. ter muitos amigos, sair pra beber cokm meus outros amigos adolescentes e com 15 anos eu arranje uma namorada que foi e [é bastante apoiada pelos meus pais (meu pai teve uma familia antes de nós e o filho mais velho dele é gay, isso sempre fragilizou o meu pai, apesar dele amar bastante ele) então era bastante incrivel, perdi minha virgindade com ela e vie e versa, mas na virada do ano de 2019 eu descobri q ela tinha me traido com outra pessoa, no desespero pra não ficar sozinho e voltar a ser eu mesmo, eu perdoiei, passando uns meses eu descobri outra, e outra, e outra que eu confirmei só recentemente, já trai ela, dps q eu descobri isso mas isso relamente não é pra mim,k enfim.
ela passava ferias inteiras cmg em casa e pela saude debilitada da minnha mãe ela sempre cuidou dela, bem mais que de mmim, no inicio de 2020 na virada do ano ela simplismente surtou e me fez passar um mico na frente dos meus familiares e eu passei por isso.
enfim, no inicio da quarentenaq ela veio passsar a quarentena cmg e foi muio bom, mas começou a ficar insuportavel a pessoa dela cmg, em uma noite nós estavamos conversando a luz das elestreas e ela perguntou sobre "se eu tinha vontade de fazer sexo a 3" disse que tinha curiosidade e tal mas foi isso,então ela passou semanas tentando convencer alguem a fazer isso conosco( ela é assumidamente bi) nunca liguei anto apesar da curiosidade, enfim cheou o dia 11 de julho era aniversario do meu avô em outra cidade e no´s fomos, chegando lá eu comecei a beber com os meus amigos e princicpalemnte o meu irmão, mas em um momento minha prima me chamou pra passsar batom nela pra nós irmos sozinhs pro quarto.
bom nesse ponto eu preciso voltar alguns anos pra contextualizar, eu namorava uma garota e ela era de outra cidade meu pai trabalhava fora então ele traza ela sempre q pode, não era um namoro assumido e era bem estranho mas nós estavams, mas minha namorada era muito próxima da minha prima, muito mesmo então eventualmente eu descobri q elas estavam ficando :)
ela namorava o primo da minha namorada ( game of thrones ) e um dia ela sumiu, e eu descobri q ela tinha traido o meu primo com outro cara, então eu me fiquei muito ruim, contei pro meu melhor amigo na epóca e ele espalhou a conversa, mas o namorado dela nunca soube
voltando, enquanto caminhava eu olhei pra tras e vi minha namorada vindo atrás de nós, soube, eu já imaginava oq ela queria, entrei no quarto e minha prma ficou de olhos fechados sentada eu olhei pra trás e ela estava no quarto me encarando quase me pedindo, então eu dei um beijo na minha prima, ela olhou pra minha namorada e elas comecaram a se agarrar na minha frente, minha namorada não disse nada mas minha prima dizia coisas como "tua boca e tão macia" "voces parecem sex education"e ela esfregava minha namorada então minha namorada diz "enfia.."eu exitei por um momento e ea pediu denovo e eu fiz, minha prima pediu pra parar e nós paramos, nos despedimos dali mas eu fui atras dela pra pedir desculpas e ela me ignorou e minha namorava pouco se importava, ela ficou com nó por um tempo e depois foi embora, no outro dia e fui na casa dela fazer outras cosas e eu aproveitei pra conversar melhor e ela disse q era melhor nós deixarmos esse assunto pra lá, viemos embora e na segunda feira eu encontro no twter dela ela dizendo q tinha sido estuprada por nós ,conou q tinha sido a força,etc...
poucos minutos dps minha mãe já sabia e enfim apartir dali meu mundo mudou, eu queria me defenderm mas eu não podia de jeito nenhum, ninguem me escutava, mnha mãe ligou pra cpnversar com ela pra saber de todo ocorrido mas eu não tava em casa tinha saido pra jogar volei, e o dia se passou, no outro dia meu pai levou minha namorada embora e eu fiquei só, minha mãe conversou com a minha prima por ligação e wwp,e no whatsapp ela escreveu" tia eu só fiz isso pq na epóca da #### eu estava me envolvendo com uma pessoa e ele simplismente contou pra todo mundo então eu queria q elesenisse como eu me senti" no tiwtter pouco tempo dps ela já estava debochado da situação "nâo vou denunciar #### mas eu vou destruir a vida social dele igual ele fez cmg :)" na verdade eram bem mas emojis de shitpost, e pra qualquer pessoa q se interessase ela contava a historia de debochava da situação, pouto tempo dps ela percebeu q tava falando algumas coisas dms e ela excluiu as postagens mas já havia se passado alguns dias e eu já tinha printado muitas coisas,minha famiia se duvidiu mas n durou muito lgo todo mundo estava do lado dela e com razão, não sou mais do tipo de ser merecedor de pena, ela disse q não queria mais falar do assunto e etc... passado um mes desde q eu tinha sido'CANCELADO" ela contou pra uma pessoa muito importante pra mim e eu publiquei o maximo q eu pud no meu tt tentando me defender, mas a essa altura eu já falava com umas 3 pessoas, ele ficaram irritados pq eu ainda falava daquele assunto e desde então tem sido ainda mais dificil sem eles, a mãe dela é umapessoa muito extrovertida com o resto da familia do tio q paga grades e grades de cerveja, enquanto nós somos bem mais reservados então naturalmente ele ficaram do lado dela,por causa do tratamento e traumas passados mamae tem depressão e por causa de tudo issso a depressão dela agravou e e la tentou e matar, mas nós somos mais reservados, soubemos puco tempo dps q ela tbm tinha tentado de se matar mas esssa n foi a °1 vez q ela tentou ela já disse no tt q já havia tentado se matar 60 vezes, e eu sei oq é querer morrer, desistir de tudo, se eu tentar me matar vai ser só a 1° tentativa e só mas ninguem se importaria ninguem quer ewscutar a minha versão e eu fico muito triste pq ninguem, ninguem sente falta de mm, me deixa arrasado pq quqando eu conto parece q isso é culpa da minha namorada mas eu sinto tanta falta dela, me deixca triste pq não é a 1° vez q ela difama alguem aleatoriamente, ela diz que odeia o cunhado dela por ser toxico,mas, toxico pq? não tem explicação o cara não sai nem do meo do mato, me sinto trise pq eu acho q tenho depressão mas eu acho tbm q seria desulmilde da minha parte achar isso assim, tbm repudio completamente assedio abuso estupro, tudo, tusdo issso e jogam um fardo desses ma minha costa, eu sinceramente não me matei pq é a minha mãe quem precisa de mim, eu simplismente odeio odeio odeio ela, e sinto muito se ela tiver depresssão mas eu não me importo mais , ela fez tudo isso e esperou o momento pra acabr cmg e ela conseguiu e ninguem vai querer simplismente abraçar minha causa, tbmme sinto horrivel pq parece que eu s´penso em im, mas toda vez q eu lembro disso me dá um peso mo meu peito. desculpa mãe mas eu não fiz isso.
submitted by Initial_Name85703 to desabafos [link] [comments]


2020.09.14 13:44 JustCallMeLyraM8 GT DA BROTHERAGEM

GT DA BROTHERAGEM
/cc/
>eu tenho um amigo bem próximo
>amigo não
>ele é tipo um irmão
>amo aquele filho da puta
>vamos chamar ele de Maicão
>nos conhecemos no jardim da infância
>dividíamos o todynho e o biscoito passatempo no recreio
>bolachaéocaraio.mp3
>estudamos na mesma turma até a quinta série quando os pais dele se mudaram pra longe da escola
>ele continuava morando na mesma cidade, mas tava numa escola diferente
>ainda assim nos víamos todos os fins de semana
>nossas famílias se tornaram amigas também
>tudo era um mar de rosas até o final de 2004
>ano 2005
>entra uma aluna nova na minha turma
>o nome dela era Thais
>lembro como se fosse ontem do momento em que ela entrou na sala
>tudo parecia ter ficado em câmera lenta
>o sol batia nela
>o ventilador soprou seus cabelos
>ela marchava como uma égua manga larga do trote formoso
>paudureci naquele exato momento
>o foda é que eu tava em pé naquela hora e a primeira aula era de educação física
>short.gif
>todo mundo da sala começa a rir de mim e a gritar
>me chamaram de pau retrátil porque foi só a menina aparecer que ele subiu
>morri de vergonha naquela hora
>sentei na cadeira e pus a mochila no meu colo
>eu só queria sumir
>até a professora riu
>mas a Thais não
>ela sentou atrás de mim e disse pra eu não ligar pra eles e que eu ficava lindo com vergonha
>caraio vei não pude acreditar
>eu era tão tímido que pedi pra ir no banheiro na mesma hora e fiquei trancado lá até a hora do recreio
>quando o recreio chegou eu pus o dedo na goela na frente da sala dos professores
>acho que vomitei até meu intestino naquela hora
>comecei a dizer que tava passando mal
>os professores me liberaram da escola e fui pra casa mais cedo
>chego em casa e passo a tarde toda tendo fantasias masturbatórias com a Thais
>eu era tão beta quanto aqueles peixes de briga
>quando a noite chega eu corro pra casa do Maicão
>conto tudo pra ele feliz da vida
>Maicão fica feliz por mim
>brodagem.rar
>segue o jogo
>durante o resto do ano eu iria me aproximar cada vez mais da Thais e me afastar cada vez do Maicão
>ele dizia que ela tava me afastando dele mas eu discordava
>dizia que era coisa da cabeça dele
>o tempo passa
>a Thais é promovida à pitanguinha e a distância entre mim e meu brother ia aumentando cada vez mais
>um dia briguei feio com o Maicão quando ele disse que ela tava cmg só por conta do meu dinheiro
>eu não era rico, mas da escola eu era o mais bem de vida
>meu pai era o único que não tava preso e não trabalhava com drogas
>minha mãe não trabalhava na zona
>zoas ela trabalhava sim
>ela agenciava a tua mãe, aquela puta boqueteira
>zoas de novo, minha mãe era artista plástica
>um dia eu acabo falando pra Thais que o Maicão tava se sentindo escanteado
>ela começa a me dizer que era inveja do nosso relacionamento e que ele só queria nos separar
>acabo dando ouvidos a ela e brigando feio com ele
>putaquepariuqueburrice
>nunca devia ter dado ouvidos à ela
>foco no gt
>paro de falar com o Maicão e cada vez mais me entrego pra a Thais
>toda semana era cinema
>lanche na Mc Donald’s
>roupa na Marisa
>minha mesada começou a ser exclusivamente dela
>um belo dia recebo uma mensagem do Maicão dizendo que a Thais tava me traindo
>respondi mandando ele tomar no cu
>ja faziam uns 5 meses que eu não falava com ele e do nothing ele vinha com um papo desses
>ele disse que eu devia ficar atento aos sinais
>não dou a foda pro que ele diz e continuo o namoro
>na semana seguinte vejo ela com uma marca roxa no pescoço
>ela diz que tinha caído da escada
>eu disse que acreditei mas fiquei desconfiado
>nada me tirava da cabeça oq o Maicão tinha me dito
>procuro ele e conto oq aconteceu
>diferente de mim ele não era um filho da puta
>Maicão me ove e depois me conta tudo que sabia
>a Thais tinha vindo da escola em que ele estudava
>ela era conhecida como viúva negra na escola
>ela se prendia à um macho e sugava tudo dele até ele não ter mais nada
>sim, ela tmb sugava o pau
>não, ela não tinha sugado o meu ainda
>Maicão continua a história dizendo que tinha visto ela saindo da casa de um carinha que morava no mesmo bairro dele
>até aí não vi nada demais
>mas ele me disse que ela tinha dado um beijo na boca do cara na saída e quando virou de costas o cara deu um tapa na bunda dela
>ÉOQ?!
>aquela vadia não tinha nem sequer me deixado pegar na bunda dela ainda
>dizia que era só depois do casamento
>eu era beta betoso full +15
>ela me levava pra igreja todo domingo
>acreditava nela sem questionar
>caio no choro e o Maicão me consolou
>disse que eu não tava sendo um bom amigo mas que ele nunca deixou de me ter como irmão
>bolamos desmascarar ela juntos
>ela ia pra casa dele toda sexta de noite
>realizo que era a hora que a mãe dela saía de casa pra ir pro culto de oração da igreja
>caraio_como_sou_burro.jpeg
>chifre.rar
>no dia seguinte falo com a Thais como se nada tivesse acontecido
>ela diz que me ama
>digo que amo ela tmb
>caraio, eu queria matar ela ali naquela hora
>mas amava aquela desgraçada
>feelsbad.png
>sexta feira
>19h
>tava com o Maicão escondido na rua da casa dela
>avistamos a mãe dela saindo de casa
>corremos pra mãe e contamos a história
>mãe não acredita, mas topa ir com agnt até a casa do talarico
>19:30h
>Thais sai de casa com um short enfiado no cu
>pqp pra quê enfiar tanto ssaporra?
>tava tão fundo que ela devia ta sentindo do gosto dele
>seguimos ela de longe
>a vadia entra na casa do moleque
>nessa hora a mãe dela já queria matar ela, mas eu fiz ela esperar
>entrei dando um chutão na porta da frente
>queria pegar ela com a boca na botija
>e consegui
>infelizmente a botija em questão era a rola do cara
>ela tava engolindo o pau daquele moleque com uma facilidade absurda
>nem sua mãe consegue engolir minha piroca tão fácil
>foco no gt
>Thais leva um susto tão grande na hora que morde o pau do cara
>num ato reflexo por conta da dor o cara da um murro na cara de Thais
>ela cai no chão
>a mãe dela comeca a bater nela com uma havaianas e depois começa a arrastar ela pelos cabelos pra fora de casa
>a Thais é arrastada pela rua até chegar em casa
>racho o bico com a cena como mil hienas comemorando a morte do Mufasa
>peço perdão pro Maicão pela cagada que fiz
>Maicão diz que fui um idiota, mas que era o irmão dele e que nada iria nos separar
>dois dias depois Thais chega na escola toda roxa
>tinha apanhado tanto que o conselho tutelar tirou a guarda dela da mãe
>ela chega perto e diz que quer falar CMG
>ignoro
>ela me puxa pelo braço, olha no meu olho e diz:
>como vc descobriu?
>digo que o Maicão me contou tudo
>ela diz que vai pra um orfanato hoje. Só foi na escola buscar sua transferência.
>Kkkkkjkkjjjk
>ela diz que eu posso rir agora, mas quem ri por último ri melhor. Disse também que nunca iria esquecer aquilo e que o Maicão iria pagar por ser x9
>puxo meu braço, dou as costas e vou embora
>ano 2016
>terminei a escola e faço faculdade
>Maicão faz o mesmo curso que eu e estudamos na mesma turma novamente
>full brothers +15
>desde o episódio com a Thais nunca mais tínhamos brigado
>trabalhávamos, tínhamos nossa independência
>tudo ia bem até recebermos o convite para uma festa que rolaria naquela noite
>eu e o Maicão dividiamos o apartamento agora
>o convite veio por baixo da porta dentro de um envelope
>open_bar.jpeg
>o envelope vinha com 2 pulseiras
>as pulseiras davam acesso à área vip da festa onde rolaria os alcoolismo
>ficamos relutante por um momento até abrirmos a carta
>a carta tava endereçada à mim e ao Maicão
>era uma letra de mulher
>não tinha muita informação só dizia que não deviamos perder a festa por nada e que lá tudo seria explicado
>não tinhamos nada à fazer então topamos
>22h
>party.time.jpeg
>logo de cara fomos recebidos por duas loiras peitudas que estavam de camisa branca
>ambas estavam dançando na entrada da festa enquanto se molhavam com uma mangueira
>séélococuzão.rar
>a festa tinha uma proporção de 4 depósitos para cada homem
>a cada dois homens, um era gay
>era tipo o plenário da câmara dos deputados só que ao contrário
>quando entramos no salão principal todo mundo virou pra a gente
>tipo aquela cena do universidade monstro
>as depósitos cochichavam entre elas
>pensamos que tinha algo errado conosco mas a vdd é que éramos os caras mais lindos dali
>na vdd nem éramos isso tudo, mas tínhamos rola e éramos heterossexuais
>feelsalpha.png
>fomos andando até a área vip
>a decoração da festa era cheia de fotos de uma depósito
>era uma ruiva 10/10
>a festa devia ser dela
>tive a impressão que ja tinha visto ela em algum lugar
>áreavip.gif
>a área vip era lotada de bebidas
>não tinha uma depósito abaixo de 8/10
>no buffet tinha camarão e lagosta
>mano do céu era a festa mais foda que eu ja tinha ido
>quando olho pro lado ta o Maicão atracado com uma mina
>dois minutos depois a mina larga ele e agarra outra mina
>ÉOQ?!
>aquilo tava parecendo um bacanal grego
>uma coisa no entanto me incomodava
>quem teria nos convidado?
>avisto a anfitriã da festa, aquela ruiva 10/10
>ela se aproxima de mim lentamente
>mano do céu, paudureci na hora
>só conseguia imaginar eu enfiando o pau tão fundo nela que quando eu terminasse ia ta na camada do pré-sal
>a calça aperta e ela percebe que estou preparado para o abate
>fico sem graça e tento disfarçar
>ela vem por trás de mim, ri e diz que eu fico lindo com vergonha
>gelei na hora
>caraio, era a Thais - pensei
>pergunto se ela era a Thais
>ela ri e me chama de idiota.
>diz que seu nome é Raquel
>caraio, ela nao tinha nada a ver com a Thais
>errei feio, errei rude
>pensei que tivesse estragado minha chance
>raciocinando com a destreza de um crackudo na fissura e digo:
>é porque thaislinda com essa roupa
>ela ri, eu rio, segue o jogo
>nessas horas eu nem sabia mais que existia um Maicão
>só pensava em mergulhar naquelas tetas magníficas
>na boa, se ela fosse minha mãe eu mamaria até hj
>quando olho pro lado o Maicão tava agarrado com duas ao mesmo tempo
>bodyshot.gif
>caraio o Maicão tava levando uma surra de peito na cara enquanto bebia e eu no 0x0
>me aproximo da ruiva já na maldade
>ela chega do meu lado
>põe a mão no meu ombro e fala na minha orelha direita:
>quem é esse teu amigo?
>poooooooooooorra.mp3
>o moleque ja tinha catado duas e agora ia catar a ruiva
>tive vontade de mandar ela se fuder, mas ele era meu brother, não podia prejudicar ele
>nenhuma depósito ficaria entre nós
>não deu nem 10 minutos do momento que disse o nome dele pra ela e ela ja tava agarrada nele
>a ruiva chupava a língua dele como se fosse o último picolé do verão
>avisto uma depósito 9/10 dançando sozinha
>penso em me aproximar, mas antes que eu chegue a ruiva puxa ela e põe na roda com o Maicão
>ja não entendia mais nada
>eu sempre pegava as depósitos +/10 do que ele e agora ele tava numa orgia de bocas e eu sem nada
>começo a beber
>realizo que ta na hora de baixar as expectativas
>avisto uma ananzinha 5/5 escorada no balcão
>me aproximo dela e pergunto se o pai dela era padeiro
>ela pergunta se era pq ela era um sonho
>eu digo que era pq eu queria comer a rosca dela
>sério que anã rabuda do carai
>a anã me dá um tapão e sai de perto
>vsf que festa merda do carai
>comecei a beber descontroladamente pra compensar a frustração
>dou em cima da garçonete
>a garçonete era uma trans
>ela me esnoba e vai embora
>vômito.rar
>caraio nem a mulher com rola me quis
>decido que hoje não é meu dia e que ta na hora de voltar pra casa
>procuro o Maicão pra ir embora cmg
>vejo ele entrando no carro com duas 1,5 depósitos
>pensei que ele tivesse indo pra um motel ou algo do tipo
>ele tava de mãos dadas com a ruiva e com a anã 5/5
>a ruiva olha pra mim, da uma risada e depois um xauzinho
>caraio que raiva daquela ruiva
>me esnobou e agora vai dar pro meu brother
>faço sinal pro Maicão que vou embora
>ele grita “Oklahoma”
>era nosso sinal secreto
>significava que ele ia realizar o ato de socação intra uterina e que eu não deveria incomoda-lo
>entendo o recado, dou meia volta e volto pra casa
>chegando em casa
>tudo girava por conta do álcool
>brinco um pouco com o o Visconde de Sabugosa até ele cuspir
>durmo
>no dia seguinte acordo com dor de cabeça, deitado no sofá
>percebo que tinham 537272717 chamadas não atendidas no meu celular
>todas do Maicão
>imagino todas as desgraças do mundo
>comeco a ligar de volta mas ele nao atende
>recebo uma ligação de um número desconhecido no meu celular
>é uma mulher
>ela ria descontroladamente
>disse que estava na festa o tempo todo me observando
>pergunta se a noite foi boa e se eu peguei alguém
>mando ela tomar no cu e digo que peguei a mãe dela
>ela racha o bico e diz que é impossível pq a mãe dela foi a primeira a pagar oq devia
>gelei na hora
>reconheci a voz
>era a Thais
>ela começa a contar seu plano do mal
>diz que foi parar num orfanato depois daquele episódio
>que apanhou muito da família onde foi parar mas a família era podre de rica
>a família produzia festas tipo o tomorrowland
>viajaram pra fora do país e levaram ela junto
>disse que por muito tempo quis se vingar mas a família não dava a foda
>dois meses atrás a família tinha morrido num acidente de carro e ela ficou como única herdeira
>ela pôs como meta de vida concluir a vingança que passou anos arquitetando
>disse que a festa foi planejada por ela
>que todas as depósitos da área vip foram contratadas por ela baseadas no meu tipo de mulher
>pergunta como me senti não pegando ngm e vendo o meu “amiguinho” catando todas
>respondo que a vingança dela era uma merda e que tava feliz pelo meu brother
>ela racha o bico e diz que a vingança dela não era me deixar sem pegar ngm
>ela queria se vingar dele por ele ter dedurado ela
>pergunto qual vingança há em encher a rola dele de depósito
>você verá - ela me disse
>desligo o espertofone e percebo que chegou uma mensagem do Maicão no oqueapp
>faz uma semana que o Maicão toma mais coquetel que o Amaury Jr.
pica relatada da mensagem
https://preview.redd.it/9o5g9y8ep3n51.jpg?width=1080&format=pjpg&auto=webp&s=3dbefd7c59d10e7b40b9168ddac79176762f8591
submitted by JustCallMeLyraM8 to gtsdezbarradez [link] [comments]


2020.09.02 18:52 NoCranberry3680 o dia em q eu acabei com o namoro de um garoto toxico

o dia em q eu acabei com o namoro de um garoto toxico
Olá Luba, editores, gatas, papelões sobreviventes e turma que está a ver
Titulo: o dia em que eu acabei com o namoro de um garoto tóxico
A história começa com um menino mto chato mas pode chamar de carls se quiser p ficar mais rápido .
Há pouco tempo eu descobri alguns barracos dele .
Entre eles:
- assediar meu amigo de forma indireta
-perguntar p amgs minhas se já as masturbaram 2 min dps de se conhecerem
-Xingou a mãe de um amg de puta na plataforma da escola
-chamar todo kpoper de gay o q n tem problema (o verdadeiro problema é usar gay como ofensa )
- ele começou um namoro que ele tava chamando de amizade colorida que não tinha nem 10 dias e mal conheci a menina
- deu em cima da minha namorada
- perguntou se Tiraria virgindade da minha namorada eu respondi que ela Tiraria com quem ela quisesse
-entre outras coisas
Aí ele queria muito o contato da minha namorada,e eu passei na condição dele passar o cntt da namorada dele p eu ter algo p usar a meu favor .
Por aí tudo bem papo vai papo vem, até que eu lembro que tenho um monte de print conversa dele que já tava me xingando e xingando minhas amigas, então a namorada dele começou a puxar papo comigo e começamos a falar do carls aí eu comecei a falar das coisas que ele fazia e acabei mandando todos os prints que eu tinha, a minha intenção de início não era acabar com o namoro dos dois e também nunca foi, mas é o que aconteceu os dois terminaram e ela ficou super puta com ele. Depois que os dois terminaram o namoro que durou apenas 10 dias ele ficou super sentido e falando que a culpa foi de uma pessoa super babaca (no caso eu).
Ainda teve um caso de que disseram que ele assediou a minha namorada coisa que eu também não duvido nada mas acabou que tudo se entendeu ele não tinha assediado ela o que me deu um alívio Mas isso é outra parte da história.
Tem alguns prints que falam de todas as coisas que ele já fez as maioria dos assédios dele de maioria das bobeiras dele de maioria das coisas horríveis que ele já fez
Bom é isso muito obrigado senhor luba se eu fui escolhido minha maior vontade de fuder com ele Que bom apesar de ter gerado um desgaste enorme deu conteúdo para o Luba deu muito trabalho criamos até um grupo p isso
Obs-
Para não deixar todos os prints que eu vou mandar mais confusos do que eles já são vou especificar quantas pessoas participaram dessa história obviamente sem citar nomes
-Minha amiga
-amiga da minha amiga
-outra amiga da minha amiga
-meu melhor amigo
-minha namorada
-Namorada do garoto tóxico
- garoto tóxico
Lembrando que todos os prints de conversas o que está em cinza ou em preto é o garoto tóxico espero que você goste e fica por isso mesmo
ele disse tbm q estava ficando com um cara de 21 anos da baiha

https://preview.redd.it/pbm3lqkwkrk51.png?width=648&format=png&auto=webp&s=7d0831ccc6b014ab576c38a8285c3aed4952b6b1
https://preview.redd.it/pp0uq9izkrk51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=3f3f231cdf5239d4dd3e8d976eaff72470d666f8
https://preview.redd.it/uiwh26k0lrk51.png?width=720&format=png&auto=webp&s=22b72812336fc307e12b9f65d2132377c77d98ec
esses são um dos prints mais pesados espero que gostem
submitted by NoCranberry3680 to u/NoCranberry3680 [link] [comments]


2020.08.29 00:32 anon_jvitor Amizade com homem é um saco e com mulher é inviável

Tô aqui quase chegando nos meus 30 anos e começo a perceber algumas coisas sobre amizades. Sempre fui um homem que só tinha amigas. Amizades entre pessoas de sexo oposto heterossexuais sempre têm alguma coisa de sexual. Já recebi elogios de amigas, já elogiei, já tive amigas que me deram indiretas, enfim. Mas apesar disso considero que são amizades verdadeiras. O problema é que com um namoro de longo tempo, parece que a amizade com mulheres se torna um problema. Tenho tido muitas discussões com a minha namorada por questões de ciúmes. Aos poucos, sem querer, estou me afastando das minhas amigas. Algumas amigas minhas também entram em relacionamentos e acabam ficando mais distantes comigo, acho que por medo de gerar ciúmes no parceiro. Fazer amizade com homens é um saco. Não dá para falar de sentimentos com um amigo do mesmo sexo, que eles fazem piada. Os caras vem falar de futebol e de um monte de coisas que não me interessam. Simplesmente não dá para manter um assunto. Fora a merda que é ter que ficar o tempo todo reforçando a minha heterossexualidade. Outro dia eu estava com o meu orientador em uma viagem, um cara quase 20 anos anos velho que eu, casado, com filhos. Aí ficamos em um quarto que só tinha uma cama de casal. Eu perguntei inocentemente se nós íamos dormir naquela cama, e ele respondeu: "não!!! dois homens na mesma cama??? Tá doido???". Eu fiquei sem entender a situação. Como assim ele tem medo de virar gay só por dividir a cama comigo? Ele é casado com uma mulher, eu tenho namorada, e ele tem medo de virar gay por dormir na mesma cama??? Me poupe! Enfim, não consigo fazer amizade com homens por causa dessas coisas, acho que o jeito é entender que eu não posso mais ser como o jovem solteiro que vivia cercado de amigas, e que eu também não posso ser amigo dos homens, e que a vida é, de fato, solitária para um homem hétero que a vida toda manteve amizade somente com mulheres.
submitted by anon_jvitor to desabafos [link] [comments]


2020.08.20 18:22 stlukest Meu amigo hétero

Homem, 27, gay. Relato de 2016.
Chamei uns amigos próximos pra uma noite de sexta aqui em casa. Jantar, bebida, maconha, cigarro, aquela coisa. Lá pelas tantas da madrugada, a galera começou a ir embora e ficou só um grande amigo meu, hétero, que estava solteiro na época.
Ficamos ainda mais um tempo conversando até que ele perguntou se poderia dormir aqui em casa. Disse que estava meio "lesado" da maconha e não queria pegar Uber naquela hora. Falei que não teria problema, até porque ele já tinha dormido aqui umas duas vezes antes.
Um tempo depois, fui pro meu quarto e ele foi pro outro quarto. Percebi que ele tinha ligado o chuveiro. Deitei e dormi. Uns minutos depois, acordei com uma mensagem dele perguntando se eu estava acordado ainda. Respondi que sim e ele disse "chega ae".
Na minha cabeça, certamente o gurizão tinha feito alguma merda no banheiro...
Entrei no quarto, todo escuro. Só conseguia ver um pedaço do rosto dele pelo brilho do celular. Sentei na cama e perguntei o que ele queria.
Ele perguntou se eu tinha ouvido o que uma das gurias tinha dito no jantar e puxou uns papos meio aleatórios sobre as outras pessoas... até que ele pegou a minha mão, puxou até o pau dele e começou a mexer.
PORRA. Me chamem de ingênuo, mas não estava esperando aquilo. Congelei por uns segundos, daí me subiu aquele calor e pensei... que se foda. Vamos a isso.
Até aquela época eu só tinha tido um namorado e ele não curtia receber sexo oral, então eu nem sabia como fazer direito.
Fui pra baixo da coberta e comecei. Dei aquela enganada no pau durante um tempo, daí fui descendo com a língua até as bolas e finalmente a bunda. Ele tomou um susto no começo, mas deixou. Acho que ele nunca tinha feito nada parecido porque ele dava uns gemidos abafados e forçava minha cabeça na bunda dele (e quem curte bunda sabe como isso nos deixa loucos).
Fiquei maluco pra penetrá-lo, mas ele não deixou e me puxou de volta pra baixo. Continuamos ali até terminarmos, daí nos levantamos e cada um foi para um banheiro se lavar. O outro dia foi como se nada tivesse acontecido.
Até hoje não sei dizer se foi carência/tesão do momento, maconha/bebida, curiosidade... só sei que, pra mim, foi bom pra caralho.
Foi a única vez que transei com um amigo de longa data porque não curto muito misturar amizade com sexo. Hoje eu namoro, ele namora (uma guria) e continua sendo como um irmão pra mim. Nunca mais rolou nada e nunca nem falamos sobre isso. Aliás, essa é a primeira vez que conto essa história.
Alguém já passou por uma situação parecida na vida?
submitted by stlukest to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:42 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

(Postei primeiro no desabafos, mas resolvi postar aqui também)
O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.
Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.
A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.
A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha
Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to sexualidade [link] [comments]


2020.07.29 20:24 AlvagorH Meus pais acham que eu sou gay

O relato pode ser um pouco longo, mas talvez seja engraçado (ou não).
Pois bem... senta que lá vem história.
Eu sou homem (ah vá), e desde sempre fui muito "sossegado". Não costumo ir pra festas, não bebo, não fumo. Sou bem caseiro e não sou de falar muito. Fui beijar uma menina pela primeira vez (e única desde então), aos 16, quase 17 (vou completar 21 muito em breve). Meus pais ficaram sabendo logo de cara, pois eu virei notícia na escola. O nerdão quieto e ranzinza da sala "pegando" a novinha da outra sala (ela era de um ano anterior ao que eu estava). Uma prima fofoqueira estudava na mesma sala que eu, então a notícia chegou em casa antes de mim.
Até então, eu nunca tinha notado nada de estranho nos meus pais. Eu notava alguns comentários homofóbicos deles as vezes, quando aparecia alguma notícia na televisão. "Ator famoso se declara gay", aí minha mãe "Nossa, que dó. Um homem tão bonito desses ser gay". Ou, no caso do meu pai "Eu tinha um professor que era bicha, mas era muito competente ensinando". Nessa época eu não ligava muito, pois até meados dos meus 14 anos (quando entrei no ensino médio em outra escola e em outra cidade), eu só conhecia duas pessoas que eram homossexuais e assumiam, e eu não gostava deles.
Eram dois caras muito barraqueiros e barulhentos, que zoam todo mundo. Basicamente, é o tipo de comportamento que eu sempre preferi evitar. Eu sou bastante tímido, então ter amigos próximos que chamem a atenção sempre foi bastante negativo pra mim. Logo, durante um bom tempo eu fiz a associação idiota "gays = chatos e barulhentos" e passei a evitar eles. Isso mudou bastante quando eu mudei de escola, onde as pessoas tinham valores bastante diferentes do qual eu estava acostumado. Foi um processo longo, mas o preconceito que eu tinha foi diminuindo aos poucos. Mais ou menos nessa época do ensino médio, eu comecei a me incomodar com os comentários dos meus pais, mas sempre ficava na minha para não causar confusão.
Voltando ao dia que eu perdi o BV. Bom, eu era um adolescente com muita testosterona sobrando e beijei uma menina e pude apalpar uma bunda diferente da minha sem tomar um tapão na cara. Até então, tava tudo indo muito bem. Eu era bastante amigo dessa pessoa antes de ficarmos, então eu já gostava bastante dela e me iludi muito com o rumo das coisas. Pensei que daria certo, que começaríamos a namorar e tal. Até sobre o nome de cachorros a gente falava hahahah.
Mas, a guria tinha outros planos, tava apenas curtindo o momento e logo passou pra outra. Durou um mês e meio ou dois. Então, após um ""chifre"" colossal, já que ela ficou com o ex e passou o rodo na escola ao mesmo tempo em que ficava comigo, a gente parou de se falar. De um jeito imaturo, talvez, pois eu juntei todas as minhas frustrações e joguei na cabeça dela, sendo que ela já havia deixado claro que a gente não tinha nada sério e eu continuava insistindo.
É claro que, graças a minha querida prima fofoqueira, meus pais souberam que eu e a fulaninha não estávamos mais nos falando, e mesmo assim perguntavam sobre ela em toda oportunidade que tinham. Nisso, eu ouvi alguns comentários estranhos da minha mãe, ela dizia que na escola onde eu estava tinham muitas pessoas que namoravam gente do mesmo sexo e eu tinha que tomar cuidado. Eu estranhei, mas como sou lerdo, não entendi na hora, e resolvi conversar sobre isso com um amigo.

Quando eu percebi que as coisas não estavam indo bem (ainda durante aquele mês e meio), eu usava bastante as redes sociais e conheci um cara que aguentou meus desabafos por bastante tempo, sempre me dando conselhos (e umas broncas haha). Eu comentei sobre a fala da minha mãe com ele e ele respondeu "Menino, a sua mãe acha que você é gay". Eu comecei a rir horrores naquela hora, mas também fiquei bastante inconformado. Eu me perguntava "Por que?". Não que isso me afetasse, eu sempre achei graça e vez ou outra eu conto esse fato pra algum amigo. Sempre ficou a incógnita sobre o porque que os meus pais pensavam isso, e ela ainda existe porque recentemente um cara demorou para acreditar que eu não sou gay, e eu e uma amiga rimos muito dessa situação.
Esse amigo que aguentava meus desabafos é gay. É o primeiro amigo homossexual que eu tive e a primeira pessoa sobre quem eu conversei abertamente sobre sexualidade. Ele é bastante interessado por ciência e psicologia, assim como eu, e me ensinou não só o lado social (a experiência dele sendo gay, descobrindo que gostava de homens e toda a confusão que isso gerou na sua infância/adolescência), como o lado científico da coisa, Escala de Kinsey, Freud e afins. Nessas conversas, eu tive a certeza de que sou hétero, mas acabo não me comportando como é esperado de um.
Tenho muitos primos na casa dos 20, quase todos namorando e alguns morando junto e quase casando com alguém. Vão pra festas, bebem, fumam, dão dor de cabeça pra família. As vezes um namoro termina e sempre aparece um agregado novo depois de um tempo, em média eu tenho um "primo" ou "prima" nova por um ano e meio, no máximo dois. Aí, passa alguns meses e o ciclo se repete.
E eu aqui, o primo solteiro que estuda e não traz menina nenhuma pra casa (salvo em raras ocasiões quando a minha melhor amiga aparece aqui) nem nas reuniões de família. O primo estranho que compartilha muitos posts pró-feminismo e contra homofobia. Cansei de ouvir perguntas sobre namoradas vindo de tios e até da minha avó materna.
Acho que algumas pessoas até pensam que eu escondo alguma coisa dos meus pais. Uma vez eu fui em um churrasco na casa de um amigo e a mãe dele me pediu ajuda para fazer uma mistureba alcoólica qualquer, eu disse que não sabia como fazer e ela não acreditou. Meu amigo precisou ser "testemunha" de que eu não bebo nada e que estava lá só pelo churrasco mesmo hahahaha
E aqui, temos duas cerejas nesse bolo.

A primeira é que o meu melhor amigo, o qual eu conheço desde a segunda série, há pelo menos 14 anos, começou a trabalhar na mesma empresa que a minha mãe. Ele é uma pessoa que eu costumo passar bastante tempo junto, já que nós fazemos trilhas de bike (ou fazíamos, antes da pandemia começar). Como a minha cidade tem grandes áreas verdes, essas trilhas demoram porque a gente sempre tenta explorar um caminho novo. Enfim, durante o trabalho dele, por algum motivo surgiu o boato de que ele é gay. Eu não sei nada sobre isso, ele próprio nunca me disse nada, e nós conversamos sobre muita coisa. Mas a minha mãe veio correndo me contar quando esse boato surgiu. Ela deve ter "adorado" somar 1+1 nessa ocasião.

A outra é meu pai. Tão preocupado em fazer comentários e cuidar da sexualidade dos outros, adorador do capitão cloroquina, e outro dia eu precisei fazer algo no celular dele e percebi que tinha uma aba aberta naquele site com X, e na barra de pesquisas estava escrito, adivinhem? "Bicha" hahahahahaha

Bom, como eu disse, não me incomoda o fato de acharem que eu sou gay. Não faz diferença nenhuma pra mim, na verdade, eu faço piada com isso e boa. O que me afeta nessa história é que eu tenho agora muitos amigos que são "Do Vale" e eu sinto que nunca vou poder convidar eles para me visitar aqui em casa. Tenho medo que ouçam alguma merda aqui.
Enfim, é isso. A quarentena está me fazendo sentir a necessidade de desabafar sobre alguns assuntos e esse foi um deles. Obrigado por ler até o final.
submitted by AlvagorH to desabafos [link] [comments]


2020.07.27 02:47 madudaramos um desabafo

eu nunca estive tão perdida na minha vida, com essa quarentena, ficar tanto tempo longe de meus amigos e namorado, sem responsabilidades como estudo ou trabalho, me deixou numa situação que eu cada vez mais fiquei a merce de mim mesma e meus complexos/problemas/malresolvimentos e eu não consegui mais fugir de mim mesma.
desde muito nova eu sinto atração sexual por mulheres, e eu achava que esse era o ""normal"", quando eu criança queria pesquisar "pornografia" e digitava no google imagens "mulheres gostosas", eu achava que isso era ""normal"", por mais que desde sempre fui ensinada assim como todas as pessoas que, como menina, eu tinha que gostar de meninos, namorar meninos e me apaixonar por meninos, e, normalmente, eu tinha minhas paquerinhas na escola, todos meninos.
até que um dia, assistindo um desses desenhos tipo family guy, eu reparei que a personagem tinha falado que tinha se exitado com um homem musculoso, e eu me indaguei se eu tinha que me sentir assim, completamente confusa, porque eu achava se só sentia atração por mulheres.
com o passar dos anos eu fui crescendo e aprendendo que o "normal" era as meninas se exitarem com homens, minhas amigas e primas me mostravam homens sem camisa e eu só ia na onda, eu só queria ser normal. eu não entendia pq eu era errada, mas nunca me preocupei muito com isso.
eu tive experiencias que todas mulheres heterosexuais tiveram, tive meu primeiro beijo, meus primeiros namoros, minhas primeiras experiencias sexuais, minhas primeiras paixões: todas com meninos. mas quanto mais eu amadurecia e mais o tempo passava aquele "segredinho" ia me consumindo e ficava cada vez mais dificil de fugir.
em 2017, com 16 anos, eu perdi minha virgindade com meu namorado na época, foi meu primeiro namoro sério. a ideia de ser bissexual tava muito real na minha cabeça e quando terminamos, em meados de 2018, eu contei pra um dos meus amigos próximos que eu tava questionando minha sexualidade e queria que ele desenrolasse alguma menina pra mim, mas mais ou menos um mes depois do término, eu me relacionei com meu melhor amigo, que eu sempre tive sentimentos, e eu tava completamente apaixonada, e por acaso, ainda estou, estamos namorando desde maio de 2018, completamos 2 anos recentemente e eu o amo muito, mas aí que vem o problema.
desde o um pouco antes da quarentena minha sexualidade voltou a ser uma tópico na minha cabeça que tava me enlouquecendo, eu tava/to apaixonada por ele, e por mais que eu sinta sim atração por ele, não é nada comparado ao que eu sinto quando fantasio por mulheres, eu acho que ao longo dos anos eu aprendi a amar homens, a deseja-los e tudo isso, mas no momento que eu to mais vulnerável, não é no sexo masculino que eu penso, e isso me corroe, porque eu não sei me imagino sem ele ao meu lado mas ao mesmo tempo a ideia de nunca me relacionar com uma mulher me deixa maluca, eu não tenho coragem de contar pros meus amigos porque eu tenho medo que tudo mude, e eu também tenho medo de num futuro que eu me apaixone por uma mulher eu tenha que me abrir pros meus pais e por mais liberais que eles pareçam, eu cresci minha vida toda ouvindo eles ridicularizarem lésbicas e gays com piadinhas e comentarios esteriotipados, eu tenho muito medo de que tudo mude, de que eu perca meu melhor amigo, eu tenho tanto tanto tanto medo de tudo .
talvez viver uma vida hetero seja mais fácil.
submitted by madudaramos to desabafos [link] [comments]


2020.05.17 08:01 luxfour00 Minha primeira vez numa praia de nudismo (fetiche)

Sou homem, gay e desde muito novo curto muito me exibir. O único lugar em que faço isso é na cam, sempre pra outros caras, geralmente mais velhos. Sempre tento me preservar não mostrando o rosto, mas mostro todo o resto, tudo o que pedirem. Eles nem precisam mostrar nada, só me assistir tirando a roupa e ficando totalmente nu. Eu sinto tanto prazer em fazer isso que, às vezes, só deixo a cam ligada mostrando meu corpo nu enquanto conversamos, sem nenhum outro estímulo sexual, e fico de pau duro durante toda a conversa. Saber que tem alguém me olhando me deixa muito, mas muito excitado mesmo.
Em março, fui aos EUA pela primeira vez e, sozinho e num lugar novo, tive coragem de ir numa praia de nudismo. Fui à Haulover Beach em Miami, que é bem tranquila e a nudez é opcional. Fiquei na extremidade esquerda, que é onde o público gay se concentra. Eu lembro que decidi ir e fiquei super nervoso, ansioso pra ter essa experiência na vida real.
Fui de sunga pra caso eu desse pra trás, mas, chegando lá, não pensei duas vezes: tirei tudo e fiquei 100% pelado na frente de um público mega variado: caras novos, velhos, sarados, gordinhos, altos, baixos, padrões, afeminados... Foi uma sensação muito louca, de excitação com nervosismo. Era muito bom ver que as pessoas estavam me olhando. A princípio, não fiquei com nenhuma vergonha, porque queria que vissem mesmo, mas logo comecei a ficar excitado e tive que deitar de bruços.
Eu fiquei muito tempo excitado. A parada é que o que me excita não é ver os outros caras, é me mostrar. Tentei sentar várias vezes, porque queria que meu pênis ficasse à mostra pra quem quisesse ver, mas era difícil controlar. Depois de um tempo, consegui manter ele meia-bomba e deixá-lo à vista. Vez ou outra, quando via um cara olhando muito, eu precisava disfarçar.
Fiquei umas duas horas lá e foi uma puta experiência. Como estava difícil de controlar o meu tesão, fiquei só sentado ou deitado. Só levantei pra vestir a roupa pra ir embora, que foi uma sensação ótima, de estar de pé, nu, com todo mundo me vendo. Mas tive que me vestir rápido, porque a meia-bomba já estava virando ereção completa. Pra vocês terem ideia, eu fico tão excitado que, quando fui vestir a sunga, mesmo sem me tocar, senti que estava todo melado. Chegando no hotel, me masturbei umas três vezes. Foi surreal.
O que eu queria era poder ir numa praia de nudismo em que fosse aceitável ficar excitado. Procurei na internet e não achei nada além de "dicas" de como fazer pegação nessas praias, mas tudo clandestino. Não é isso que eu quero. O que eu quero é ficar lá de boa, me mostrando, sem me preocupar se estou ofendendo alguém por estar excitado. Mas acho que isso não existe...
Eu namoro há 5 anos e tenho uma relação maravilhosa, sou muito feliz. Só que ele nem imagina isso. É um fetiche incontrolável que me satisfaz e me faz me sentir muito bem, mas ao mesmo tempo me preocupa. Sempre fiquei no virtual, então essa experiência real me fez ficar me perguntando até onde eu vou pra satisfazer esse desejo...
submitted by luxfour00 to sexualidade [link] [comments]


2020.04.24 06:01 lidyates Fiz algo errado sábado passado e que me arrependo profundamente e estou mal por isso

Bom, sou gay e namoro com um menino há 1 ano e 7 meses, nosso relacionamento é fechado e somos bem tranquilos um com o outro em relação a isso, eu tenho 22 e ele 21. Sempre tomamos todos os cuidados necessários na hora de transar, 1 ano e 7 meses usando SEMPRE camisinha, quando faltava a gente deixava de transar e voltava só quando desse para comprar. Porém, estamos sem camisinha e já faz 1 mês +/-, desde quando começou a quarentena.
Eu poderia muito bem ter comprado, mas o medo de ir até na farmácia cometi o erro de não comprar. Acabamos por transar sem, eu não queria muito, mas ele aceitou e no clima do momento fizemos sem, porém acabei gozando dentro e a gente tinha conversado sobre isso, que não era certo porque não tínhamos feito o exame ainda etc.
Eu pensei que fosse conseguir segurar, mas também cometi outro erro em não tirar para fora a tempo. Ele falou que tudo bem, não brigou comigo, nada disso, mas fiquei muito mal por isso. Agora estou com medo de ter contraído algo ou ele ter contraído algo de mim, to muito mal com tudo isso. O que eu faço?
submitted by lidyates to sexualidade [link] [comments]


2020.04.16 00:31 ninguemvazio Relacionamento gay e família religiosa

Não sabia bem com quem falar porque, bem, meus amigos tem histórias de vida bem diferentes da minha, então resolvi desabafar aqui e pedir conselhos pra quem possivelmente entenderia. Eu sou gay e nasci em uma família evangélica. Eu me assumi com 18 anos, estou com 23. Ja da pra imaginar o que ja pode ter acontecido a essa altura. Meus pais nunca souberam lidar mt bem com isso e eu tb não sabia como lidar com eles, mas o ponto é que hoje em dia as coisas estão em paz. Eu namoro um rapaz da mesma idade que a minha e nós ja passamos por diversas situações. Ja terminamos, ja voltamos. Eu realmente gosto e amo ele. Parte dessas situações acabaram envolvendo minha família, em que minha mãe ja discutiu com ele.
Minha relação com minha família é complicada e os impactos disso são imensuráveis, mas eu tenho apreço por eles de certa forma, afinal é minha família. Ao mesmo tempo que já me censuraram e me destrataram, também me apoiaram e prestaram suporte. Família. De tudo o que aconteceu, recentemente minha mãe, que é evangelica fervorosa, tem revisitado algumas de suas atitudes e especificamente hoje ela me disse que quer conhecer meu namorado (o mesmo com quem ela ja teve uma discussão). Pra mim isso significa algo, é importante pra mim querendo ou não. Não posso ignorar.
No entanto, meu namorado tem toda uma perspectiva diferente sobre a situação, parte disso porque em seu passado também teve más experiencias com sogros. Ao falar sobre o que minha mãe falou para mim, ele não concordou muito e ao que me parece não se sentiria bem em conhecer minha mãe (ele disse que "não vê objetivo nisso"). Eu não sei o que fazer pela situação ser extremamente delicada e sensível para ambos os lados. Não estou me sentindo bem, e com toda essa atmosfera de isolamento, não ajuda em nada. O meu namorado ficou chateado comigo por eu ter pedido a ele para reconsiderar, me disse que eu o estava pressionando e disse queria ficar um tempo sozinho. Eu estou ansioso (tenho T.A.G) e estou me controlando para não ter uma crise de choro.
Se existe algum viado por aí com os mesmo problemas, agradeceria demais que me desse uma luz (risos).
submitted by ninguemvazio to desabafos [link] [comments]


2020.02.18 05:24 Zavelins Comecei a ficar com um cara e queria ter um relacionamento sério, porém ele não é assumido e agora finge que é hétero, o que fazer?

Então, eu sou bi e tipo, conheci um cara no facebook e tals e sabe aquela pessoa que vc olha e acha que é areia demais pro seu caminhãozinho? Então, eu nunca achei que teria alguma chance com ele. Porém um dia teve um sarau na minha cidade, e aí eu encontrei ele lá, e sério eu e ele bêbado já queria fazer tudo ali pq achei que seria minha última vez que encontraria com ele. Mas aí no outro dia eu achei o Insta dele e ele me seguiu de volta, aí eu vendo isso já fui direto no direct chamar ele pra partir pra cima, até pq minha colega disse que ele era bi, e ok, fui lá e tals e já no primeiro dia de conversa ele já tava querendo saber quando a gente ia sair, e eu depois de alguns dias marquei um role com ele pra gente beber e se conhecer melhor, mas aí já vi que ele não queria nada de exposição, pois fez com que eu encontrasse ele num ponto da cidade às 1 da manhã, e eu disse que beleza, até pq pouco tempo atrás eu não era assumido e pensei que daria mais liberdade para nós dois ali sozinhos para fazer o que quiser. Chegando no dia a gente se encontrou e tals (ele até chegou e me deu um baita susto fingindo que era um assalto, demos risada por um bom tempo), daí só começamos a beber a vodka que eu comprei e beleza, como a nossa cidade é pequena nós falamos de todo o pessoal conhecido nosso, e foi bem boa nossa conversa, mas aí uma hora o álcool iria fazer efeito em nós e pronto, foi eu ficar um pouco mais tonto que o normal que eu já fui abraçando ele e tals, e aí ele começa a querer transar, fomos para um ponto mais escuro pra ter certeza que ninguém veria a gente aquelas horas e aí... só foi, transamos ali mesmo e cá entre nós foi bom só para ele, eu mal consegui penetrar ele e pra mim foi bem ruim mesmo, mas enfim... fomos pra casa depois de um bom momento abraçados enquanto eu dava carinho nele, e por fim se despedimos com um longo beijo (agora deem a nota pra fanfic ksadjak zoa, queria que fosse, porém isso ainda tá rolando :/). Mas aí que começa a desandar as coisas, pq quando eu cheguei eu mandei mensagem perguntando se ele chegou bem em casa e que gostei do tempo que a gente passou juntos (isso tudo na madrugada pro natal), e ele simplesmente não me responde mais, e eu perguntava pras amigas dele e elas falavam que por ele passar o natal com a família ele não entrava muito no celular, até aí ok, entendi bem e esperei, as vezes ele responderia depois do natal... que nada, passou dias e nada e eu cada vez mais desesperado pq eu queria saber dele a todo momento e eu mandava mensagem perguntando se eu fiz alguma coisa e tals e eu só via ele online sem visualizar nenhuma das minhas mensagens. Fiquei bem triste por um tempo, mas aí do n a d a já nesse Fevereiro, ele vem e me chama com um "Oi amor" no Insta e eu fiquei tipo "han?", mas tá, só isso já foi o suficiente pra eu me iludir e responder ele na maior vontade do mundo, e aí já acabamos marcando de sair outra vez, mas agora pra eu desabafar com ele sobre os lances de eu me assumir que acabou que um monte de gente ficou sabendo da minha sexualidade, e tá, meia noite fomos num clube aonde ele era sócio e entramos lá sem ninguém ver a gente, sentamos em umas cadeiras e ficamos lá mexendo no celular e conversando mais um pouco, e eu sempre tomando a iniciativa de tudo fui e chamei ele pra sentar no meu colo, ele meio questionando veio e beleza, fiquei ali abraçando ele forte e fazendo carinho nele, e enquanto isso ele começa a olhar as fotos dos amigos dele na minha frente e dizendo "Nossa, ele é muito gostoso" "esse me chamou pra deitar com ele na cama e eu só n vou agora pq não tem como eu sair da cidade já", (notas no meio do post: eu tenho 17 anos e ele 15), e eu fiquei muito triste aquela hora, só que o pior de tudo foi quando eu perguntei pra ele qual é o padrão dos meninos que ele gosta, e ele me dizendo que precisa ser sarado e tals (tudo padrão mesmo), e nessa hora eu fiquei ali me perguntando "qq eu tô fazendo ainda abraçando ele assim como se eu amasse ele? Ele não deve ter nenhum interesse no meu corpo, então deve tá me usando só como passatempo?" e eu na hora não fiquei tão mal assim, até pq depois de um tempo nós fomos para uma outra área do clube e acabou que transamos ali de novo. Acabando tudo, a gente se da ideia que tinham duas câmeras filmando a gente ali, e ele ficou muito assustado com medo de vazar algum vídeo dele ali. Aí fomos para casa, e nem se falamos mais. Daí minha amiga, que já sabia que eu era bi, disse que ia me ajudar a fazer ele me amar e tals (quase fomos em uma macumbeira, e ainda quero muito ir, não sei se vou), e tá, nesse fim de semana ela mandou mensagem pra ele dizendo "vc vem aqui em casa hj pra ficar com ele?" daí ele respondeu "com ele? claro que não" "mas por vc meu amor, eu vou até a lua", aí nessas horas eu já não sabia de mais nada, fiquei movido como um saco de bosta, aquilo me quebrou por dentro, até pq ela achava que ele não era bi e sim gay mesmo. E aí meio que foi isso, além de no Insta eu sempre ver ele interagindo com os outros amigos dele de forma bem carinhosa e tipo as minhas coisas ele nunca nem curtia, daí agora ele meio que tá comentando essas fotos dos amigos dele de uma forma mais de "hetero" mesmo kajsdkj tipo "lindo bro", e sério, eu não sei mais oqq eu faço, se eu continuo achando uma forma de fazer ele gostar de mim ou partir pra alguma coisa mais pesada (macumbeira né), pq eu sei que se eu me desapegar dele não vai ter outra pessoa por aqui na minha cidade que vá querer sair comigo e que eu tenha o mesmo interesse que eu tenho por ele, e namoro online está bem fora de cogitação. Me ajudem, o que eu faço?
submitted by Zavelins to desabafos [link] [comments]


2020.02.06 18:16 _Punish3r Diagnóstico de Espectro Autista

Olá a todos, Me chamo Guilherme, tenho quase 20 anos (irei fazer em 4 de Maio), e novembro do ano passado, estava passando com a Neuropsicologia, e descobri meu diagnóstico de Espectro Autista.
E fica até que mais claro para mim em vários aspectos sociais da minha vida, sempre tive muita dificuldade em me socializar desde cedo, não curto festas em familia, por exemplo por parte do meu pai, que são 5 Tios e uma quantidade exorbitante de primos(a) e familiares, costumo não ir, por odiar o barulho alto e qualquer local com muita gente junta.
Na época de Escola, sempre fui o mais isolado da sala, e tanto no intervalo , eu demasiado e triste, ficava sentado no banco esperando a ''morrer da bezerra. Muitos familiares, sempre diziam que é por ser ''Timido'' ''Fase Natural'' ''Isso Passa ao decorrer do tempo'', mas não foi isso, agora que eu sei meu diagnóstico TEA (Transtorno do Espectro Autista) tudo mudou, até meu pai acha que pode ter sinais de TEA na época dele de Juventude.
Lembro caso, de garotas me olhando com desdém, pelo simples fato que estava apaixonado por uma garota da minha sala, mas infelizmente não é o que eu esperava, ela me maltratou não-verbalmente naquele dia com as amigas delas, e isso me machucou muito.
Tenho quase 20 anos, e nunca namorei, nunca beijei nenhuma garota se quer (BV e BVL), e já fui taxado até como ''GAY'' por ter esse aspecto moderado por tal ação. Já tentei pedir amigas que eu amava muito em namoro, mas todas foram apenas a resposta: ''Apenas Amizade'' ''Te vejo apenas como um Amigo'' ''Te magoaria se eu te desse um fora''. Porra prefeiro mil vezes que fale de coração e seja sincera, do que apenas fazer um textão gigantesco pedindo desculpas por apenas ficar se próprio diminuindo, para não namorar comigo. Eu sempre quis um relacionamento sério, sou um cara comprometido com esses tipos de assunto.
Agora estou lutando para me amar do jeito que eu sou um Asperger, e batalhar para virar uma pessoa digna e honesta. Estou Cursando Jogos Digitais (Ultimo Semestre), e sou Faixa Laranja do Karatê Kyokushin.
Acho que por enquanto é isso mesmo, queria desabafar isso, que vocês podem estar sofrendo muitos problemas, e podem ter algum sintoma de Autismo Leve ou até Moderado, e suas familias não percebem isso.
submitted by _Punish3r to desabafos [link] [comments]


2019.08.12 07:24 echimenes SOBRE O LADO COMPLICADO DAS RELAÇÕES - HOMOAFETIVAS OU NÃO

Ok, isso é literalmente um desabafo. Acho que já passei da fase das reclamações - e essa nem seria a função desse grupo. Mas aviso desde já: história longa a frente.
Primeiro, vou contextualizar vocês:
Eu tenho 22 anos de idade. Formado em Contabilidade em uma universidade federal. Me considero bonito, tenho boas comunicações sociais no ramo profissional e já trabalho na minha área de formação a quase 2 anos.
Sou gay. Não assumido para familiares - não por escolha, mas simplesmente por que não me preocupo com o que vão pensar de mim. Eu sou o que sou e tenho pleno orgulho de mim. Não preciso ficar anunciando a ninguém. Quem já sabe, e algumas pessoas mais próximas a mim já sabem, me aceitam sem complicações ou preconceitos imaturos.
Sempre fui mente aberta, porém apenas me reconheço como homossexual a pouco mais de 3 anos. Morava em uma cidade minúscula até mudar definitivamente para a cidade onde a minha universidade se localiza, uma das maiores do estado. Aqui, terminei minha graduação e consegui um bom emprego. Viver com a minha avó, depois do falecimento da minha mãe aos meus 11 anos, me fez crescer livre, embora minha timidez excessiva na adolescência não me permitiu ser um cara de festas e baladas, ou bebidas e outras drogas lícitas. Não sou de muitos amigos até hoje, embora seja mais extrovertido do que jamais fui.
Gosto de escrever. Muito. Meu sonho é ganhar dinheiro escrevendo um dia, seja livros ou roteiros de novelas e filmes - confesso: eu penso alto, embora meus pés estejam bem firmes no chão. Sou nerd quando o assunto é ciências, filmes, séries, livros e coisas dessa área pop. Gosto de fazer amigos que curtam o mesmo que eu.
Agora vamos ao "problema":
Eu me apaixonei por um garoto. Um ano mais velho que eu. Nem um pouco nerd e de personalidade extremamente mais dominante, mais autoritária. Um cara mandão, do tipo que não aceita "nãos" como resposta para nada.
Eu, que cresci sendo mimado pelas mulheres da minha família, jamais pensei que fosse me desarmar por outra pessoa como aconteceu. De verdade, pensei que eu fosse ser um grande babaca quando encontrasse o amor da minha vida.
"Grande engano o seu!" - disse o coração.
Pois é, o amor veio. Jamais senti o que senti por ele quando nos conhecemos. Foi bem na época em que eu "soube" que gostava de garotos e esse cara literalmente me ensinou, me introduziu ao mundo LGBTQ+. E só Deus sabe o quanto eu adorei isso. Aprendi a perder o pouquinho de preconceito que eu ainda trazia comigo desde antes de me ver nesse meio. Ele cuidou de mim, me ajudou a me adaptar nessa nova cidade e me fez pensar estar num sonho.
Obs.: sem contar que tudo o que sei 'na cama', adivinhem? Foi ele também que me ensinou. Virgem até os 20. Pronto, falei.
Eu realmente espero que outros homossexuais que lerem esse texto se identifiquem com a minha história. Eu não acho que seja tão incomum assim passar pelo que eu passo.
Começamos a namorar. Eu conheci a família dele. Passei a frequentar muito sua casa e a dormir lá mais vezes do que eu dormia na minha própria durante a semana. Seis meses haviam passado e já fazíamos planos ousados de irmos morar juntos dividir um mesmo aluguel e um mesmo lar. Ter nosso próprio doguinho.
Logo quando encontramos nossa nova casa, com menos de um ano que nos conhecíamos, resolvemos fazer nossa "lua de mel". Compramos juntos uma viagem para o Nordeste, onde ele viu o mar pela primeira vez comigo - eu já havia visto antes, durante um Simpósio no sul em que fui com minha turma da faculdade.
Foi durante essa viagem que senti as coisas começarem a desandar. Eu soube desde o início que ele era obsecado por sexo. E não me entendam mal, eu também gosto, mas no caso dele - ser assumido desde muito pequeno, ter conhecido o mundo do sexo logo com seus 14 anos de idade e nunca ter sido muito controlado pela mãe que o criou para ter cuidado com esses assuntos, creio que isso mexeu com a cabeça dele -, imagino que isso o deixou ser mais guiado pelo lado irracional da coisa.
Eu sei que muitos casais passam por isso. Apimentar a relação, encontrar uma forma nova de fazer. De repente, um brinquedo ou um até mesmo um terceiro. Sim, hoje eu sei que isso é a coisa mais normal no mundo. Não é um bicho de sete cabeças. Não é um BIG DEAL. É o ser humano. Somos nós. Cansamos do mesmo corpo, dos mesmos lábios, dos mesmos assuntos. Não tem a ver com amor. Tem a ver com adrenalina. Precisamos sempre de renovações, de viver novas aventuras. É maior do que nós. Pessoas desimpedidas passam por isso dia após dia. Mas chega a ser um tabu para os casais. E não estou falando apenas de homossexuais. Homens e mulheres se machucam o tempo todo quando chegam nesse estágio do relacionamento. É triste e desencorajador, mas devo dizer que para quem passa por isso, pode ser um grande ensinamento de vida.
Não sei se é por sermos dois homens ou se é por termos feito as coisas muito rápido, mas com menos de um ano de namoro, cansamos um do outro. O amor não diminuiu, pelo contrário, ainda é o mesmo. O que mudou foi a falta de novidade. Ele já tinha tido muito mais experiências do que eu. Havia passado por loucuras que rezo para nunca ter que passar. Mas eu, em termos, ainda sou um iniciante nesses assuntos. Ele queria mais do que isso.
Sugeri um terceiro. Sou MUITO mente aberta. A ideia não me magoou no início, embora tenha me assustado, confesso. Ele prontamente aceitou e aconteceu ainda nesse viagem. Minha primeira experiência a três, mas não a primeira dele, claro. Embora eu não tenho dito nada a princípio, isso mexeu comigo. Não soube como reagir. É estranho ver a pessoa que você ama com outro. Okay, eu deixei, eu permiti aquilo, mas quando aconteceu, fui invadido por um sentimento totalmente novo.
Depois da viagem, as coisas não melhoraram muito. Fizemos a "brincadeira" outras várias vezes, mas parecia não ser certo. Eu vejo pornografia online diariamente como todo garoto da minha idade. Isso nunca me afetou ao ponto do vício.
Então as desconfianças começaram.
Eu ia para o trabalho nos dias em que ele tinha folga e ficava imaginando o que ele estaria fazendo em casa. Ou com quem ele estaria. Vejam bem, não sou ciumento, mas eu já sabia do que ele era capaz por causa do sexo. Aliás, não se trata de ciúmes; é algo mais... ético. Poxa, somos um casal. Praticamente casados com alianças e tudo. Já fizemos ménage antes e não haveria por que pensar que pudesse haver traição no meio. Eu tinha esse sentimento dentro de mim - ainda tenho -, de querer conhecer alguém diferente, me envolver como me envolvi com ele. Sabem? Me sentir como me senti no começo com ele. Quando a chama da paixão era ardente e incontrolável. Mas não poderia deixar nada mesquinho aflorar de dentro de mim. Eu amo ele. Ponto.
E foi então que eu descobri. Eu já estava às vésperas de me formar na faculdade. Estava com emprego novo e tudo parecia correr as mil maravilhas. Eu soube através de um meio anônimo que ele estava saindo com outros caras. Não poderia dizer quantos, mas sabia que eram mais do que um. Meu mundo só não caiu por que sei me virar em situações de emergência. Sei alinhar meus pensamentos. Sei administrar o que é racional do que não é.
Não joguei nada na cara dele. Deixei as coisas fluirem. Continuei a trabalhar durante o dia e pegar o ônibus para ir a faculdade a noite. Nos finais de semana, eu limpava a casa e lavava nossas roupas. Por ter poucos amigos, praticamente não saia nas folgas.
Não demorou muito para eu também começar a sair com outras pessoas. As escondidas, claro. Era só sexo. Nada de contatos. Apenas satisfação da carne. Ele fez, por que eu não podia? Também sou jovem, bonito, por que bancar a Cinderela com a madrasta e as primas más? Podem me julgar a partir daqui, mas me senti revigorado. Senti a chama de novo. Não me senti me vingando, estava muito além disso.
As vezes ainda fazíamos nossos trios, mas com frequência menor do que antes. Então um dia, ele descobriu que eu também pulava a cerca como ele. O cara com quem eu havia saído numa folga minha em que ele trabalhou, não sei por qual motivo - talvez para ver o circo pegar fogo - mandou prints de nossas conversas para ele e aí... bem, não foi tão frio quando eu fui. Brigamos como nunca. Claro que já havíamos brigado antes por vários motivos diferentes - inclusive por sexo -, mas essa briga em especial foi a maior. Decidimos nos separar. Ele jogou varias hipocrisias na minha cara e eu, bem, eu aceitei. Foram sete dias sem nos vermos. Eu já estava pensando em me mudar para a casa de um primo até saber para onde iria, quando tivemos uma última conversa. Abri minha alma, expliquei o que eu havia feito e por quê. Lembram do que falei sobre não aceitar "nãos" como resposta? Pois é, isso vale para não aceitar que a culpa recaia sobre você também. Foi uma conversa difícil. Tínhamos um cachorro para cuidar. Uma casa alugada com um contrato de aluguel ainda longe de vencer e dívidas contraídas juntas para liquidar. Talvez tenha sido a junção de tudo isso, daquela dívida moral que eu sempre vou ter com ele por ter me ajudado tanto no começo, mas reatamos.
Continuamos juntos, embora elefantes ainda caminhem pela nossa casa. Eu sei perdoar. Já perdoei várias coisas e pessoas antes dele. Não guardo mágoas, pois sei dos malefícios que se dão com isso. Não gosto de atmosféras tóxicas dentro de um relacionamento, seja ele amoroso ou não.
Agora, sinceramente já não ligo para as folgas dele. Não ligo para o fato de quantos caras ele vai levar para a nossa cama enquanto eu Não estou por perto. Eu sou mente aberta ao extremo. Talvez se ele tivesse me pedido antes de fazer, eu tivesse deixado. Não estou decepcionado e não me sinto traído. Não choro por isso a noite depois que ele já dormiu. Minha consciência está, acreditem vocês, tranquila. Certa vez, num banheiro público, li a seguinte frase:
"Você tem certeza que não está colocando vírgulas ainda deveria estar colocando pontos finais?"
Pois é, eu sei que estou colocando vírgulas. Muitas. Sinto que metado de mim iria embora no momento em que nos separassemos definitivamente. Pois mudei muito depois que o conheci.
Mudo a cada dia estando perto dele e sabendo do que aconteceu. Me sinto preso. Preso em algo que já parou de andar. Isso me faz querer me odiar, mas eu também tenho amor próprio. Ou será que acho que tenho por pensar assim e fazer algo totalmente diferente?
Eu sou um garoto e a outra pessoa também é. Somos um casal homossexual vivendo num país predominantemente homofóbico e intolerante. Mas eu sei que essa minha história é a mesma que muitos outros casais vivem ou já viveram por aí. Eu amo esse cara. Amo ao ponto de ainda estar com ele depois de tudo. Amo ao ponto de saber que estaríamos melhor separados. Mas me faltam forças para dar esse passo.
submitted by echimenes to desabafos [link] [comments]


2019.07.18 03:26 B3ck3rxx Uma coisa idiota que está me afetando psicologicamente. Um sentimento que perdi por um TIME DE FUTEBOL

Bom, não sei direito como começar a falar sobre isso, só sei que estou com um problema, que pode parecer idiotice, mas virou uma bola de neve e está me estressando muito, penso nisso o dia inteiro....
Fico até envergonhado de escrever isso, muita gente tem problemas muito piores e pode ser um mimimi... mas na minha opinião não importa o que é isso, apenas sei que está me afetando psicologicamente.
Eu torço pra um time de futebol, sempre gostei muito de torcer, acompanhar e não perdia um jogo do meu time... minha família (principalmente meu pai) sempre foram muito fanáticos, daqueles de olhar todos os jogos, ir no estádio com certa frequência etc.
Também sempre fui fanático, até certo tempo atras quando percebi que não me empolgava mais tanto, mas não deixei de olhar os jogos pra não deixar meu pai triste e olhando sozinho. Então continuei fazendo companhia pra ele.
Acontece que eu percebi isso há alguns anos, e hoje o problema cresceu mais, pois está quase insuportável assistir os jogos, perdi o amor pelo time, não consigo mais torcer.
Criei um certo desgaste com o meu time, que se tornou gradativamente num ódio ao ver os jogos etc. Por causa disso hoje eu meio que torço contra.
Eu poderia resolver isso simplesmente parando de ver os jogos certo? Mas e se eu falar que ja tentei? Fiquei alguns meses sem acompanhar, porém isso me deixava culpado, deixar meu pai sozinho olhando os jogos, sem fazer companhia, além disso, eu queria voltar a gostar de olhar os jogos, então voltei a olhar na esperança de algum dia conseguir torcer de novo, recuperar o sentimento.
Mas algo pior aconteceu.. comecei a gostar mais de acompanhar os jogos de um time rival, e o sentimento por esse time foi crescendo gradativamente, e hoje ja quase me considero um torcedor escondido desse time, acompanho os jogos sozinho...
Eu sei que isso pode parecer uma coisa idiota, fazer um desabafo sobre times de futebol. Porém eu faço um paralelo com um relacionamento: eu amava aquela pessoa, porém com os anos criei um desgaste e então me apaixonei por outra, mas agora nao consigo terminar o relacionamento com a primeira pessoa, então namoro com a outra escondido e vou suportando viver com uma pessoa que não amo mais.
O que eu faço?paro de acompanhar?apesar de continuar gostando de futebol, o problema mesmo é meu time... Troco de time? Como explico pro meu pai e família? Pois imagina o choque deles, eu sempre fui fanático, e depois que eu perdi o sentimento pelo time, continuei assistindo, finfinginreações.etc
Isso pode ser tão ruim pra mim como é pra algumas pessoas se assumir gay... tanto pela minha falta de aceitação (eu queria continuar amando meu time e odiando o rival) e pela reaçao da família...
Por enquanto eu vou suportando... até esperei tempo pra caralho, pois não tinha certeza desse sentimento, e talvez ainda nem tenha, mas gostaria de ler suas opiniões, agradeço desde já
Abraço a todos e não considerem isso um mimimi, pois apesar de parecer bobo é um problema foda kkkkk
submitted by B3ck3rxx to brasilivre [link] [comments]


2019.07.17 15:27 B3ck3rxx Um problema idiota que está me afetando psicologicamente, um sentimento que perdi por um TIME DE FUTEBOL

Bom, não sei direito como começar a falar sobre isso, só sei que estou com um problema, que pode parecer idiotice, mas virou uma bola de neve e está me estressando muito, penso nisso o dia inteiro....
Fico até envergonhado de escrever isso, muita gente tem problemas muito piores e pode ser um mimimi... mas na minha opinião não importa o que é isso, apenas sei que está me afetando psicologicamente.
Eu torço pra um time de futebol, sempre gostei muito de torcer, acompanhar e não perdia um jogo do meu time... minha família (principalmente meu pai) sempre foram muito fanáticos, daqueles de olhar todos os jogos, ir no estádio com certa frequência etc.
Também sempre fui fanático, até certo tempo atras quando percebi que não me empolgava mais tanto, mas não deixei de olhar os jogos pra não deixar meu pai triste e olhando sozinho. Então continuei fazendo companhia pra ele.
Acontece que eu percebi isso há alguns anos, e hoje o problema cresceu mais, pois está quase insuportável assistir os jogos, perdi o amor pelo time, não consigo mais torcer.
Criei um certo desgaste com o meu time, que se tornou gradativamente num ódio ao ver os jogos etc. Por causa disso hoje eu meio que torço contra.
Eu poderia resolver isso simplesmente parando de ver os jogos certo? Mas e se eu falar que ja tentei? Fiquei alguns meses sem acompanhar, porém isso me deixava culpado, deixar meu pai sozinho olhando os jogos, sem fazer companhia, além disso, eu queria voltar a gostar de olhar os jogos, então voltei a olhar na esperança de algum dia conseguir torcer de novo, recuperar o sentimento.
Mas algo pior aconteceu.. comecei a gostar mais de acompanhar os jogos de um time rival, e o sentimento por esse time foi crescendo gradativamente, e hoje ja quase me considero um torcedor escondido desse time, acompanho os jogos sozinho...
Eu sei que isso pode parecer uma coisa idiota, fazer um desabafo sobre times de futebol. Porém eu faço um paralelo com um relacionamento: eu amava aquela pessoa, porém com os anos criei um desgaste e então me apaixonei por outra, mas agora nao consigo terminar o relacionamento com a primeira pessoa, então namoro com a outra escondido e vou suportando viver com uma pessoa que não amo mais.
O que eu faço?paro de acompanhar?apesar de continuar gostando de futebol, o problema mesmo é meu time... Troco de time? Como explico pro meu pai e família? Pois imagina o choque deles, eu sempre fui fanático, e depois que eu perdi o sentimento pelo time, continuei assistindo, finfinginreações.etc
Isso pode ser tão ruim pra mim como é pra algumas pessoas se assumir gay... tanto pela minha falta de aceitação (eu queria continuar amando meu time e odiando o rival) e pela reaçao da família...
Por enquanto eu vou suportando... até esperei tempo pra caralho, pois não tinha certeza desse sentimento, e talvez ainda nem tenha, mas gostaria de ler suas opiniões, agradeço desde já
Abraço a todos e não considerem isso um mimimi, pois apesar de parecer bobo é um problema foda kkkkk
submitted by B3ck3rxx to desabafos [link] [comments]


2019.05.02 05:49 jogafora6969 Eu não sei diferenciar meus sentimentos de amizade e a minha atração romântica.

Talvez isso esteja relacionado ao fato de nunca ter namorado - mesmo tendo quase 22 anos de idade. É muito confuso e eu sempre tenho medo de acabar magoando algum amigo ou amiga minha ou entrar em alguma situação delicada por ter entendido alguma coisa errado.

Digo amigo ou amiga pois sou bissexual. Isso é uma coisa que eu me dei conta mais recentemente, aos 18, mas olhando para trás me percebi que mesmo antes de eu ter muita noção disso eu já misturava as coisas. Tenho um amigo muito próximo desde os 14 anos e eu sempre achei que admirasse muito ele, mas recentemente ele terminou um namoro e, talvez movido pelo fogo no rabo de um recém solteiro, disse que estava com vontade de ter um experiência homossexual, por curiosidade. Uma experiência sexual comigo, no caso. Eu topei, sem pensar muito, achei que ia ser alguma coisa boba. Mas no dia mesmo (eu fui dormir na casa dele depois de uma festa) eu dei pra trás. Senti um aperto no peito, uma angústia. Uma sensação de que iria fazer algo que não devia. Naquela hora eu não entendi muito. Voltei pra casa pensativo. Ele era bonito, limpinho e, provavelmente, virginal, só qualidades positivas, não entendi a razão de não querer aquilo. Depois de muito tempo pensando me dei conta de que eu era ou fui apaixonado por ele por esses anos todos e nunca tinha me dado conta. Desisti na hora por medo de tudo aquilo vir a tona, por saber que eu seria só uma brincadeira pra ele e no fundo, bem no fundo, eu não encarar assim.


Depois disso eu fiquei uns dias sem falar com ele e desde então - já fazem uns seis meses- não temos nos falando mais tanto assim.


Em janeiro eu fui numa balada gay com minha amiga lésbica. Melhor amiga, aliás. Somos muito próximos. Bebemos bastante, dançamos, essas coisas. Numa música específica, ela me abraçou e começou a dançar de modo levemente sensual. A música era levemente sugestiva ( era Do What U Want da Gaga, como eu disse, era uma festa gay) e eu tinha muita certeza de que ela tava afim de me beijar naquela hora. Eu sei como ela faz quando quer beijar alguém, mas fiquei com medo de estar entendendo alguma coisa errado, até então ela se entendia como lésbica. No caso ela deixou de se entender depois, e também se descobriu bissexual. Inclusive agora ela está namorando um menino muito bonito, mas não consigo não ficar com um certo ciúmes. Uma sensação de que podia (ou devia?) ser eu. Não sei explicar. É um sentimento muito estranho. Ela é literalmente minha melhor amiga há bastante tempo já.


Aí não sei se o ciúmes é de perder um pouco da atenção de uma pessoa tão próxima e eu que estou caçando pelo em ovo ou se eu de fato sou apaixonado por ela também e também não sabia.


O caso mais recente dessa situação aconteceu semana passada. Eu não tenho lá muitos amigos próximos na faculdade. Eu até saio com o pessoal, bebo, beijo da boca de alguém de vez em quando e tudo mais. Mas não tenho um amigo mesmo, sabe? Então eu estava mais que disposto a mudar isso. Conheci um rapaz que parecia legal. Ele era um pouco mais novo que eu e introvertido, então parecia razoável eu, que sou extrovertido, pegar ele pela mão para desbravarmos a vida universitária juntos. Eu tinha um certo crush de amizade nele e pedi pra namorada dele nos apresentar, já que era mais próximo dela que dele. Nesse dia em específico a gente bebeu bastante e acabamos ficando amigos mesmo. O problema surgiu quando quarta passada eu fiquei sabendo que eles tinham terminado e fiquei muito feliz. Eu não entendi na hora por qual caralhos eu estava feliz com o termino dele, mas acho que acho que nesse ponto já da pra pegar o padrão de comportamento. Agora olhando pra trás vejo que o que me fez querer ser amigo dele mesmo é que ele é bonitinho e agora já nem sei mais de eu acho ele legal ou se estava sendo precipitado.


Pelo menos esse - até onde eu sei- só se interessa por mulheres, então não tem muito motivos pra eu criar muitas expectativas.


Será que algum dia eu vou ter alguma amizade de verdade? Vai ver eu só precisava tapar o buraco da carência romântica, mas também não vejo nem se quer chances de isso acontecer tão cedo.

Era só isso desabafos. Com carinho,

u/jogafora6969.
submitted by jogafora6969 to desabafos [link] [comments]


2019.04.14 20:37 Jamal-Black Quando o relacionamento muda..!

Bom sou gay e tenho 23 anos , ha um tempo venho saindo com um rapaz que conheci o ano passado , logo de cara nos aproximamos um do outro e curtimos a companhia . Porém por não gostar de namoro tradicional , com todas essas formalidades ( e por eu nunca ter namorado) , resolvemos não namorar , mas curtir um relacionamento mais leve. Porém percebi que bem ou mal , acabamos por ficar quase em um Namoro, nos falando todos os dias por whatts e saindo juntos sempre . Acontece que recentemente tive que trocar de casa , pra morar um pouco mais longe e ficou mais difícil sairmos juntos sempre .. Então alguma coisa mudou , quando ficamos juntos as coisas parecem ótimas , a conversa flui o sexo, tudo, pensamos até em fazer planos .
Mas esses momentos estão cada vez mais raros e quando não estamos juntos ele está ficando distante , já não nos falamos mais diariamente e recentemente as conversas por mensagem estão curtas ( quase protocolares, e logo morrem ) ... Gosto dele mais estou na duvida se nossa relação esfriou , ou se esta morrendo mesmo e devo partir pra outra , ou se ainda insisto nela..
submitted by Jamal-Black to desabafos [link] [comments]


2019.03.19 01:44 cacowxou Descobri que namoro uma mulher trans

Olá gente, é o seguinte: Namoro faz seis anos com essa pessoa que até setembro do ano passado, a conhecia como homem. Nós sempre fomos muito grudadas, sempre conversamos sobre tudo, porém, sempre notei algo de peculiar. Nosso namoro começou quando eu tinha 14 anos, quase 15, e ela 16. Foi um começo de namoro digno de filme hollywoodiano. Logo, ela foi estudar no mesmo colégio que eu, cursamos o 2 e 3 ano juntas. (Desculpe se eu errar pronome, ainda estou em fase de adaptação) Eu acabei me afastando de meus amigos, e ela dos dela, por questão de ciúmes e porque fazíamos tudo juntos, menos cagar. Eu tenho depressão desde os 11 anos de idade, ela não entendia o porquê. Com o passar do tempo, ela disse ter depressão também, porém no caso dela eu realmente não entendia o porquê, pois ao contrário do meu caso, que foi por motivos de um pai completamente abusivo, a família dela sempre foi muito boa, ela não passou por grandes perrengues na vida... Isso me deixou com a pulga atrás da orelha. Com o passar do tempo, percebia um jeito um tanto quanto feminino, não me importava pois eu gostava do jeito dela, mas ela era uma pessoa muito desengonçada e nunca se arrumava, usava roupas velhas, e coisas assim. Eu sempre fazia perguntas do tipo "você é gay? você é bi?" em busca de entender o que eu sentia que tinha de errado e ela não me contava. Nosso namoro nos 2 últimos anos foi da mal a pior, ela nunca se arrumava, usava roupas velhas mesmo eu dando inúmeras roupas de presente, só reclamava de dor ali e acolá, não preparava nenhuma atividade para fazermos final de semana, não me dava muita atenção e cada vez mais foi se enfiando na tela do celular. Eu fui perdendo o gosto pelo relacionamento, pelo sexo, pela companhia... Faz um ano em que ela entrou num grupo de D&D e está até criando seu próprio sistema com outros amigos, amigos esses que me aproximei, eu acho mó daora, porém, ela me afastou de tudo, arrumou amigos e eu fiquei sozinha nisso sabe? E eles se reúnem todo domingo. Nós praticamente só temos o sábado para fazer algo, e sempre que ela aparece eu fico triste, pois basicamente ficamos em casa, e ela o dia todo no celular respondendo esses amigos. Descobri que ela era trans em setembro de 2018, foi num momento na minha vida que finalmente estava conseguindo sair da depressão, depois de 9 anos nisso, eu tava muito bem, ela estava muito doente como sempre e fui ajudar a arrumar a casa dela e cuidar dela, quando chegou a noite, fui conversar pra tentar entender o que se passava com ela e me surgiu a ideia de perguntar se ela era trans, só foi algo que veio na mente mesmo. E ela me respondeu com um "talvez" querendo dizer sim só que sem querer dizer... E aí meu mundo caiu. Eu sou bi, e luto pelos direitos LGBTQ+, porém quando você enfrenta a situação na pele você percebe que não é tão fácil como parece. Eu chorei por mais de um mês, comecei uma terapia pois eu não sabia com quem falar sobre isso, ninguém entenderia. Estou num misto de insatisfação no relacionamento com um grande medo de quando ela começar a tomar os hormônios, fico muito feliz por ela estar encontrando seu lugar no mundo, mas está sendo muito difícil passar por isso, me sinto numa espécie de luto, tudo aquilo que eu imaginei um dia ou conheci está mudando, e ninguém nos ensina a passar por uma coisa assim. Ela não tem dinheiro pra nada, a mãe é irresponsável, e por muito tempo eu paguei as coisas para ela pois não queria que ela deixasse de ir aos poucos lugares que íamos por ela não poder pagar. Eu cobro atenção dela, cobro que ela faça alguma coisa, pois apesar de eu a amar muito, é muito peso pra uma pessoa só. Um dia eu me abri na frente de 2 amigos dela que sabem que ela é trans sobre o quanto eu estou sofrendo no momento, pois além disso tudo, estou passando por um período muito turbulento em que meu pai e minha mãe estão se separando e meu pai está ameaçando minha mãe de morte e etc. Esse amigo me falou "talvez eu seja grosso no que eu irei te falar, mas o foco agora é sua namorada" como quem diz que eu não tenho direito de sofrer. Eu quase me matei faz 2 semanas.
Resumindo: Namoro a 6 anos, o namoro tá uma bosta faz 2. Em setembro descobri a transsexualidade da minha namorada (M>F), juntou com minha depressão e o abuso psicólogico que estou sofrendo, não aguentei. Não sou uma pessoa transfóbica, só não estou sabendo lidar com o luto que sinto. Me sinto muito só, sem amigos para conversar sobre as coisas que estou passando e minha namorada está muito sensível a tudo e muito distante de mim. O que eu faço?
submitted by cacowxou to desabafos [link] [comments]


Pedido de namoro gay na virada do ano 🎆 - YouTube Amor Gay: Tudo é uma questão de tempo e paciência - YouTube 6 meses de namoro/ Amor gay/ Gih & Jhon - YouTube PEDIDO NAMORO GAY NAMORO GAY Melhores Pedidos de Casamento GAY 06 - YouTube Pedido de Casamento gay de emocionar - YouTube Como Manter um Relacionamento Duradouro - Casal Gay Pedido de namoro gay ❤

4 Apps de Namoro Sério Gay para Quem Cansou da Pegação

  1. Pedido de namoro gay na virada do ano 🎆 - YouTube
  2. Amor Gay: Tudo é uma questão de tempo e paciência - YouTube
  3. 6 meses de namoro/ Amor gay/ Gih & Jhon - YouTube
  4. PEDIDO NAMORO GAY
  5. NAMORO GAY
  6. Melhores Pedidos de Casamento GAY 06 - YouTube
  7. Pedido de Casamento gay de emocionar - YouTube
  8. Como Manter um Relacionamento Duradouro - Casal Gay
  9. Pedido de namoro gay ❤

Confira alguns segredos para manter o namoro ou o casamento estável, seja para um casal gay, LGBT+ ou para casais héteros também. Inscrevam-se para assistir os próximos vídeos. Pedido de namoro gay na virada do ano 🎆 - Duration: 1:12. Nicoly Fortkamp 88,591 views. 1:12. 6 meses de namoro/ Amor gay/ Gih & Jhon - Duration: 4:21. Giovani Haubert 53,762 views. seleÇÃo com os melhores pedidos de casamento gay Everton e Max Você chegou do nada e se tornou o meu tudo! Obrigado por estar sempre ao meu lado, me fazendo a pessoa mais feliz desse mundo! Lembro como se fosse hoje o di... Quem nunca se sentiu solitário em busca de sua alma gêmea? Acredite, tudo é uma questão de tempo e paciência. http://www.doqueosgaysgostam.com NAMORO GAY NAMORO GAY NAMORO GAY. Category People & Blogs; ... SANDY LEAH interrompe show para promover namoro gay após campanha de fã no Rio - Duration: 1:29. Alice Midori Takano Recommended ... se escreva no meu canal,de um like,comente e compartilhe com seus amigos obg lindos Oi meus amores Sejam bem vindos Espero que vc goste do vídeo Pedido de namoro gay Se Inscrever no canal Até o próximo vídeo.